Parcialmente nublado

Máxima: 35 ºC
Mínima: 21 ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 77: Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Publicada dia 14 de Abril de 2007

Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940

O festejado conterrâneo Gilvan Lemos nos forneceu preciosas informações sobre a nossa, até então, pequenina São Bento dos seus tempos despreocupados de menino. Vez por outra, recorremos ao nosso escritor e ele, muito gentil como sempre, não deixa de nos explicar como era a cidade de São Bento com suas ruas sem meio-fio e sem calçadas e muito menos calçamento. Quando meninote, tive o ensejo de ler uma crônica gilvaniana em um esporádico jornalzinho são-bentense, cujo nome, se não me falha a memória, era “O Pioneiro”, em que ele não se conformava em ver a cidade com as melhorias verificadas a partir das gestões municipais dos irmãos Décio e Lívio Valença. Na época, nem eu nem as pessoas de um modo geral entenderam a mensagem do prosador, que se tratava, tão somente, de uma figuração, pois que as transformações urbanas como: o assentamento de meio-fio e o calçamento das principais ruas estavam completamente em desacordo com a cidade em que ele viveu sua meninice e adolescência. E dizia, em certo momento da crônica, que se pudesse quebraria todas as benfeitorias para que a sua cidade voltasse a ter o aspecto, o encanto e a magia da sua infância feliz, com ruas empoeiradas e casas cheias de degraus para se vencer. É evidente que Gilvan gostou de ver sua cidade com os melhoramentos que começaram no fim da década de 1940 quando a Praça Marechal Deodoro, atual Cônego João Rodrigues, foi construída e que até hoje, graças ao tino do prefeito Reginaldo Porfírio (1997-2000), que a reformou e modernizou, conserva aquelas pedras de granito no seu passeio.

Recordo-me, como se fosse neste instante, a buraqueira aberta com picaretas, na cidade, para receber o tão acalentado meio-fio, símbolo de progresso e que viria a dar jeito às calçadas, pois cada morador fazia a sua sem nenhuma uniformidade e a seu bel-prazer, de acordo com suas posses. Na Praça Barão do Rio Branco, hoje Adalberto Paiva, foi preciso até furar os lajedos e neles colocar dinamite para destruí-los e com isso dar passagem à valeta por onde o meio-fio seria assentado. Por muito tempo, a cidade ficou em obra, um verdadeiro pandemônio urbano. E a meninada brincava de “artista de cinema” se escondendo nas valas abertas e “prendendo” os seus rivais mais distraídos. A obra era o começo da urbanização, com a construção das praças, colocação do meio-fio e calçamento das principais vias centrais. A partir da década de 1950, São Bento deixou de ser aquele arruado empoeirado para tomar ares de cidade organizada. Na antiga Praça Barão do Rio Branco, foi erigida uma fonte luminosa que era a coqueluche dos prefeitos da época, porém as constantes quedas de corrente elétrica gerada por velhos e ultrapassados geradores fizeram com que a beleza da fonte luminosa não fosse apreciada pelo povo. Também, faltava água ao empreendimento para um funcionamento de modo permanente, principalmente à noite onde os efeitos seriam mais bem apreciados.

Feita esta pequena incursão à década de 1950, vamos ao que nos interessa. Ou seja, dizer alguma coisa referente às décadas de 1930 e 1940. Para tanto, estamos louvados nas preciosas informações fornecidas pelo nosso romancista e contista, Gilvan Lemos, e pelo marceneiro aposentado, Sebastião Bernardino de Souza, cidadão são-bentense apaixonado como nós pela formação histórica de nossa cidade e sua atual memória-viva.

No tocante ao prefeito Manuel Cândido, Gilvan diz que ele foi nomeado prefeito no tempo do Estado Novo, período da nossa história compreendido entre 10 de novembro de 1937 e 29 de outubro de 1945, quando Getúlio Vargas fez de Agamenon Magalhães o seu interventor nas terras pernambucanas, tendo este nomeando o rigoroso Cândido como prefeito municipal da então São Bento. Gilvan não precisa a data, porém acha que foi no início da década de 1940. E diz que Manuel Cândido era do tipo falastrão, sempre de paletó e gravata, mas um pouco relaxado na aparência. Ele andava nas ruas “passando gato” em quem não obedecesse às posturas municipais. O indivíduo que tivesse a petulância de jogar um papel ou mesmo casca de banana no chão da cidade era sumariamente compelido a apanhar e colocar a sujeira no tonel de lixo.

Foi ele que teve a coragem de por abaixo o mercado velho. A esse propósito, conta-nos o historiador são-bentense, Sebastião Bernardino de Souza, nascido em 1927, que no início da década de 1940, São Bento tinha uma velha edificação que tomava quase toda a extensão da atual Praça Adalberto Paiva. Era o dito mercado, um verdadeiro pardieiro que enfeava a nossa cidade, onde aos sábados ocorria grande parte dos negócios, especialmente a venda de farinha de mandioca, de modo que o prédio ficava completamente rodeado de montarias dos matutos, a ponto de gente de outras localidades próximas a São Bento se referir ao Mercado Público como uma verdadeira estribaria. Esta observação de forasteiros, certamente, desgostou o alcaide municipal que a partir de então pensou seriamente em demolir esse simulacro de mercado público que tanto deslustrava a acanhada cidade. Começou então a arregimentar trabalhadores rurais e urbanos para a empreitada, começando a fazer o destelhamento com cuidado e retirar todo o ferro empregado na sustentação do prédio e que depois seria usado na construção da cisterna anexa ao hoje demolido Açougue Público. Repentinamente, vários munícipes reagiram ao tomar conhecimento da decisão do prefeito, em derrubar o mercado, e não conseguindo convencê-lo do contrário, logo providenciaram um “abaixo-assinado” dirigido ao interventor federal de Pernambuco, Agamenon Magalhães.

Ao receber o documento, o representante de Getúlio Vargas em Pernambuco, em atendimento ao pleito dos conservadores são-bentenses, mandou convocar, através de telegrama, o prefeito ao Palácio do Campo das Princesas sem, no entanto, alegar o motivo de tal chamamento. Era evidente, para o prefeito, que esta convocação tinha a ver com demolição do Mercado Velho. Imediatamente, Cândido arregimentou os operários que, de pronto, começaram o destelhamento e a retiradas das linhas de sustentação. Os vergalhões também foram retirados e depois serviram para a construção da cisterna anexa ao antigo Açougue Público. Prédio completamente no chão, o prefeito Manuel Cândido, de capote na mão, pegou uma condução para Belo Jardim e de lá seguiu de trem ao encontro do chamamento do chefe. Na audiência, o interventou disse que seu chamado ao gabinete tinha a ver com um “abaixo-assinado” firmado por personalidades são-bentenses contrárias à demolição do próprio público. E que não levasse a cabo tal empreitada. Após a fala do interventor, Cândido o olhou firmemente e disse “Excelência, o que me pede não posso cumprir: o Mercado de São Bento hoje é apenas um entulho. Salvamos apenas o telhado, as linhas de sustentação, os caibros e as ripas. Era uma edificação antiquada, mal feita e que atentava contra a estética e que por isso era alvo de comentários desairosos de pessoas das cidades vizinhas que o considerava apenas uma estribaria, de vez que a matutada amarrava suas montarias ao longo das portas do estabelecimento”. Disse mais que São Bento para se modernizar tinha que tirar aquele monstro da paisagem local. “Lamento, pois, senhor interventor, não poder atender a sua ordem, pois o telegrama apenas me convocava a palácio e eu não tinha a mínima idéia de que o assunto seria a demolição”. O interventor diante do fato consumado não teve outra alternativa senão mandar arquivar o “abaixo-assinado”, avisando os subscritores da impossibilidade de atendê-los. E São Bento se livrou, para sempre, desse monstrengo. Em compensação, foi o prefeito Manuel Cândido, segundo Gilvan Lemos, que construiu a antiga prefeitura, que no dizer de Gilvan “era simpática e poderia ter sido aproveitada (...) e não destruída, para dar lugar a um prédio-caixão, feio como o diabo (...)”. O prefeito Manuel Cândido foi o organizador da feira semanal aos sábados e deixou uma grande obra, sendo por isso considerado o maior prefeito de São Bento que ainda não era “do Una”.

No tocante ao Cine-Teatro Rex, Gilvan diz que ele foi construído por Osvaldo Maciel. mais ou menos por volta do ano de 1945. Antes, Osvaldo havia comprado o Cinema Trianon que ficava onde era a casa de Zezé Raimundo, hoje sede do Conselho Tutelar do município. A tradicional sala de projeção foi inicialmente aproveitada por João Gomes, de Belo Jardim, que era o dono do “motor” da luz elétrica. Depois, o Trianon foi passado a Eutrópio Azevedo, irmão de dona Mariá, casada com Nô Paiva. Nesse tempo, a projeção de imagens era muda, ou seja, não tinha som. Mais tarde, dona Pânfila, sobrinha do Barão de Suassuna, que adquirira o motor, inaugurou o cinema falado, com o nome de Cine Eldorado. Tal cinema, no entanto, não tive muita sorte, pois pegou fogo e ficou fechado por muito tempo, até ser reaberto por um senhor chamado Melquíades já com o nome de Trianon.

A respeito do União Sport Club, nosso escritor e historiador são-bentense diz que ele foi construído na presidência de Adelmar Paiva, possivelmente por volta do ano de 1937. O mentor dessa associação são-bentense foi Getúlio Valença, na época o animador cultural da cidade, tendo fundado o Jockey Club de São Bento e o grupo de teatro entre outras iniciativas. Getúlio era protético e prático em odontologia. Sua oficina de trabalho ficava ao lado do antigo Cine Rex numa mesma edificação onde existia o consultório médico de seu sobrinho, Lívio Valença (1916-2003).

Indaguei de Gilvan se ele se lembrava de Bernarda, aquela são-bentense apaixonada pela Banda Musical Santa Cecília e que tinha o prazer de acompanhá-la pelas ruas são-bentenses nos dias de festa e de regozijo. O autor destas linhas tem um ligeira lembrança da passagem do enterro dela pela antiga Praça Marechal Deodoro, que foi acompanhado pela Banda numa homenagem àquela que tanto amava a música. Gilvan disse que se lembrava demais de Bernarda, porém não sabe dizer a que família ela pertencia. Sabe que era ligada aos Siqueira, talvez sem parentesco. As pessoas perguntavam: “Bernarda, que dobrado é esse?” E ela respondia na bucha: “Né Lira de Ouro?”.

No tocante a Fábrica de Laticínios Souza Valença, Gilvan diz que ela foi construída em 1935, seu equipamento veio da Áustria, pois naquele tempo o Brasil pouco produzia e nem a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) tinha sido fundada por Getúlio Vargas (1883-1954), o homem que deu início ao processo de industrialização do País e que por esse motivo, bem como pela legislação de proteção ao trabalho é considerado o maior político que o Brasil já produziu. Quem instalou a Souza Valença foi um engenheiro-mecânico dinamarquês chamado Kay Hansen que todos se referiam a ele “Cai Rânsen”. A fábrica era bem moderna, toda mecanizada e tinha até câmara frigorífica, constituindo-se na época um grande sucesso, pois a partir de então o são-bentense pôde, nas festas ou no União tomar sua bebida gelada, pois a Souza Valença fornecia gelo que para conservar as barras era usado o pó de serra. Também, em função do gelo da Souza Valença, pudemos nós meninos e os matutos de São Bento apreciar o sorvete raspa-raspa de coco, morango e maracujá de Zé Rufino, além da “gelada” que de tão fria dava dor nos olhos.

Depois veio a Fábrica de Laticínios Castelo fundada por Zé Cadete também muito importante e que ficava nos Terreiros depois do sítio de Liberato Siqueira. Gilvan acrescenta que a última vez que viu a fábrica, da entrada da cidade, ela estava aos pedaços, servindo de aviário.

De certa feita, comentei com Gilvan que São Bento, apesar de pequena, havia dado ao Brasil dois generais; João Augusto de Siqueira e Zenildo Gonzaga Zoroastro de Lucena, que vem a ser sobrinho do primeiro. O general João Augusto era filho de Liberato Augusto de Siqueira, pedreiro e alferes da Guarda Nacional, havendo terminado vida militar ativa no Recife ao passo que o general Zenildo foi o último ministro do
Exército, no governo de Fernando Henrique Cardoso e com a criação da pasta da Defesa, comandada por um civil, como acontece em quase todos os países do mundo, exerceu até o final de 2002 o cargo de membro do conselho de administração da Petrobras.

Gilvan aduziu que havia um terceiro general são-bentense, chamado Cícero e cujo sobrenome não se lembra. Disse que Cícero era cunhado de Joca Hemetério, que morava na antiga Rua do Correio e que ele saiu de São Bento ainda rapazinho, pobre e humilde e anos mais tarde voltou general.

Ele ainda acrescentou alguns pormenores a respeito do general Cícero. Joca Hemetério era pai de Cecé, que casou com Maria de Vítor Guabiraba. Cecé era enfermeiro e, como se vê, sobrinho do general Cícero de tal. Algum são-bentense que venha a ler este artigo e saiba o nome completo e mais detalhes a respeito da vida do oficial-general, rogo informar-me para o correio eletrônico abaixo. Desde já agradecemos a quem puder colaborar com a história são-bentense.

Por hoje é só. Porém, antes de concluir tenho que passar uma informação preciosa feita pelo nosso escritor: no tempo do Estado Novo, várias localidades brasileiras mudaram de nome. Segundo as autoridades da época, o objetivo era evitar que um mesmo nome fosse adotado por mais de uma cidade. Tentaram mudar o nome de São Bento para Itapicuru, porém o nome não “colou”. Dizem, então, que o general João Augusto de Siqueira sugeriu a adição “do Una” ao nome de São Bento.Vamos tentar recolher outras histórias da cidade. A mim, só me resta agradecer a Gilvan Lemos e a Sebastião Bernardino pelas valiosas informações que ensejaram o desenvolvimento deste modesto trabalho.

A história de São Bento do Una é rica em valores humanos nestes seus 147 anos de emancipação política, tendo sido elevada ao predicamento de Vila em 30 de abril de 1860, desmembrada que foi da então Vila de Santo Antônio de Garanhuns e não pode, de maneira alguma, ser olvidada pelas novas gerações.



E-mail:

OrlandoCalado@yahoo.com.br

Pau Amarelo PE 14 de abril de 2007

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 246 - 16/07/2017 - História de São Bento do Una, Pernambuco, Brazil
Coluna 245 - 10/05/2017 - Pleito de gratidão a Dirceu e Ludgero
Coluna 244 - 14/04/2017 - Historia Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injustiça imperdoável
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una