Parcialmente nublado

Máxima: 33 ºC
Mínima: 18 ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 88: Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Publicada dia 30 de Junho de 2007

Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)

Longe da cidade há várias décadas, nossas fontes são apenas a memória de uma infância feliz jogando bola com os amigos lá para as bandas dos terrenos de seu Tiburtino. Era uma festa. Tínhamos times organizados. Ageu, Jaime, João Tadeu, Hilton, Cadoca, Galego de Antônio Lalau, Goba, Ivan Queiroz, Evandro, Nena de Doutorzinho e tantos outros, que a memória infelizmente apagou, foram protagonistas de pelejas inesquecíveis. Eram partidas espetaculares na poeira do campo batido, mas às vezes o jogo era praticado na chuva e no frio. Tempos bons. Aliás, a melhor fase da vida é sem dúvida a infância e a pré-adolescência. Não jogamos futebol apenas nos terreiros de seu Tiburtino, mas, também, no antigo Stadium, caminho dos Apeninos. Não sabíamos porque carga dagua tinha o nome de Joaquim Gomes, mais conhecido como Joaquim de Ana, um pacífico gerente da antiga Mercearia Cadete sem pinta de jogador de futebol. Minhas dúvidas a respeito do assunto só foram sanadas recentemente pelo magnífico escritor Gilvan Lemos, nosso patrimônio vivo e apaixonado por sua gleba natal. Ele disse que Joaquim de Ana foi o fundador e presidente-proprietário do Comércio Futebol Clube, cuja sede ficava no casarão de esquina da atual Rua General João Augusto de Siqueira com a Praça da Matriz. Disse mais que o time do Comércio foi desmembrado do União Sport Club.

O estádio são-bentense da época tinha dimensões gigantes, algo em torno de 110 metros de comprimento por setenta ou noventa de largura e sua cancha não tinha um pé de grama sequer. Pelo contrário, numa das laterais, o que mais se via eram pedregulhos, de sorte que se um jogador caísse naquela faixa de campo ficava completamente ralado. Jogamos, também, num campinho da avenida Manoel Cândido, que ficava exatamente atrás do União Sport Club. Vez por outra saíamos do perímetro urbano para enfrentar os times arranca-tocos dos Terreiros ou da Muselinha. É evidente que, naqueles tempos, sapato-tênis e chuteira não era coisa para menino. Após as acirradas partidas, era que sentíamos dores nas canelas, geralmente lanhadas pelas unhas bem crescidas dos dedões dos pés adversários. Futebol de menino não tinha essas coisas de estratégias, táticas, marcação por zona. O negócio era bola para frente e evitar por todos os meios e modos que a nossa meta fosse vazada. Achamos que até hoje é assim. Pode ser que nas escolinhas de futebol, além dos fundamentos básicos, se ensine alguma coisa em termos de tática de jogo.

Dito isto, trataremos, sempre que possível, de recorrer ao mestre Gilvan Lemos que, por sinal, foi excelente jogador de futebol, e aos poucos livros de autores são-bentenses para comentar para os nossos leitores outros fatos e pessoas que marcaram época em nossa pequenina cidade, tão rica em valores humanos. Recorreremos, também, a Leone Valença, que através de suas crônicas são-bentenses não deixou que a memória de pessoas e fatos fosse olvidada pelas novas gerações e a Sebastião Cintra, um conterrâneo de quatro costados, não os copiando, mas comentando e relembrando assuntos que esses dois notáveis escritores trataram, com propriedade, em relação à nossa cidade, imortalizando, assim, tipos e fatos que vivenciaram ou ouviram através de relatos dos mais antigos.

Como os livros desses autores tiveram edições limitadas e são difíceis de serem encontrados, é nosso desejo passar para nossos conterrâneos e amigos de São Bento essas coisas interessantes e mesmo pitorescas do nosso passado. Com isso, consagraremos, ainda mais, os autores e os personagens descritos por eles. Autores e personagens estão imortalizados no nosso âmbito, assim como Oscarito, Grande Otelo, Costinha, Zé Trindade, os cantores e cantores do rádio das décadas de 1930 e 1940 e tantos outros artistas estão imortalizados no Brasil através dos filmes que protagonizaram e que na época esses falsos intelectuais da crítica tacharam nossas alegres películas de “chanchadas”, ou imitações grosseiras das produções hollywoodianas. Os críticos morreram e estão esquecidos, porém Grande Otelo, Oscarito, Ankito, Violeta Ferraz e tantos outros podem ser vistos diariamente no Canal Brasil, dedicado quase que exclusivamente às produções nacionais, devidamente restauradas e preservadas para todo o sempre.

Historias e mentiras contadas por Joaquim Gordo, o enterro da morta-viva Zefa Ruela e tantos outros episódios da vida são-bentense são coisas nossas por excelência e não podem e não devem, de maneira alguma, serem desconhecidas dos nossos conterrâneos e amigos da nossa cidade.

Antônio Cintra Valença era irmão de Elias Cintra Valença (1879-1969), aquele são-bentense católico fervoroso que, em 1925, foi à Itália, mais especificamente ao Vaticano, assistir às comemorações do Ano Santo e receber às bênçãos do papa Pio IX, trazendo diploma que certificava sua presença naquelas comemorações. Nessa mesma peregrinação, o agropecuarista Elias teve a oportunidade de visitar a Terra Santa, ou seja, a Palestina de então. No nosso tempo de menino em São Bento ouvíamos muitas histórias dessa monumental viagem. É que Elias Cintra contava que uma das coisas mais interessantes que viu na Itália foi um monte de criancinhas, numa praça, parolando italiano. Essa historinha era, vez por outra, contada pelos mais velhos mesmo que fosse difícil à criançada romana falar naquela altura da vida outra língua que não fosse a materna. Contudo, voltando ao nosso personagem, Antônio Cintra. Ele nasceu em 1882 e faleceu aos 44 anos, em 1926. Era comerciante, estabelecido com mercearia naquele prédio da esquina da atual Avenida Osvaldo Maciel com a Praça Adalberto Paiva. Antônio Cintra foi um dos padrinhos do casamento, em segundas núpcias, de Luiz de Almeida Calado (1882-1968), pai do autor destas linhas, no dia 6 de fevereiro de 1923.

Antônio era por demais espirituoso e gozador emérito. Era casado com dona Elvira Lemos, mais conhecida por Elvira Cintra, proprietária daquelas terras que ficam por trás do cemitério. Antônio e Elvira Cintra tiveram oito filhos, entre os quais “seu” Rubem, antigo secretário da Prefeitura e ciclópico centro-médio do já citado Comércio Futebol Clube, um time são-bentense de camisas vermelhas do início dos anos 1950. Tanto quanto seu filho Rubem, Antônio era homem de baixa estatura física e de compleição robusta. Era um observador atento das coisas da cidade, notabilizando-se por botar apelidos criativos nas pessoas de suas relações. Era brincalhão ao extremo e, sobretudo divertido, não poupando nem mesmo os seus parentes com alcunhas jocosas e não depreciativas que na realidade refletiam o modus vivendi de cada alcunhado na comunidade são-bentense.

Vamos ver agora o espírito criativo de Antônio Cintra, citando algumas alcunhas, muitas das quais se constituíram em verdadeiros segundos nomes. De notar que nenhum dos alcunhados brigou ou reclamou dos apelidos recebidos. Esta citação é meramente histórica e não tem a finalidade de denegrir a imagem de qualquer uma das personalidades são-bentenses das décadas iniciais do século passado.

Por possuir “nariz achatado e enormes fossas nasais, Antônio Silvestre foi brindado com a sugestiva alcunha de Porronca, palavra, evidentemente, não dicionarizada até nossos dias. Joaquim Cintra Lins, também conhecido como Joaquim Duca, por possuir avantajadas orelhas semelhantes às do conhecido roedor, recebeu o apelido de Orelha de Lebre. Augusto Lins dos Santos era “largo e forte de corpo” a ponto de enfrentar, com os pés nas costas, as tarefas mais pesadas do quotidiano, pois possuía força fora do comum. Por esta razão, ganhou de Antônio Cintra o sugestivo cognome de Pranchão.

Antônio Silvestre, irmão de Porronca também foi agraciado pelo espirituoso comerciante são-bentense do primeiro quartel do Século XX com a alcunha de Pezunho pelo fato de ser possuidor de “pés grandes e defeituosos”. É pena que tanta criatividade não esteja devidamente registrada nos modernos dicionários. Antônio não livrou nem a cara do seu já citado irmão peregrino, Elias, que foi rebatizado com a sugestiva alcunha de Boca Preta por ostentar, na época, substancial bigode preto que ia de fora a fora em desproporção ao pequeno rosto da personagem.

Com a alcunha de Guaxinim, esse mamífero da família dos procionídeos bem semelhante ao “Mão-pelada”, Antônio Vaqueiro não teve como escapar. O fato é que Antônio Cintra, observador astuto e percuciente, notou semelhança entre o homem e o carnívoro, por ter a nossa personagem “rosto fino e o queixo meio projetado”. Já o panificador Adalberto Paiva recebeu a alcunha de Gato Preto. Ninguém até hoje descobriu a real motivação para tão estranho apelido, porém, à boca pequena, os mais antigos achavam que tal se deveu a uma faceta da vida do ex-prefeito e tradicional comerciante: o gosto pela história familiar local, prática esta que o nobilitou a descrever as famílias que primeiro povoaram a ribeira do Una e se estabelecendo com a criação do gado destinado a suprir as necessidades de proteína do litoral e a zona da Mata, onde os canaviais e engenhos imperavam para fornecer a tempo e a hora a doçura do nosso açúcar de que a Europa necessitava por ter um sabor superior ao do açúcar de beterraba.

João Tição, ou melhor, Janjão Tição, era um pobre caçador. Ele vivia de espingarda para cima e para baixo, matando preá (pequeno roedor) na ribeira do rio Una. O preá era, pois, o seu alimento a seu alcance, porque galinha e carne bovina não freqüentavam a sua humilde choupana. “De tanto se alimentar do roedor, vivia, conforme a ocasião, exalando cheiro ou catinga do dito cujo”, daí o fato de Janjão ter sido agraciado com o malcheiroso apelido de Bufa de Preá pelo espirituoso Antônio Cintra.

Cintra era pródigo em apelidar parentes seus como já vimos antes e vamos ver de novo: José Cintra Lins foi contemplado com a alcunha de Pé-de-Espeto. Naquele tempo, era costume o agricultor “abrir as covas na terra molhada, para o plantio de milho”, utilizando um espeto de ferro ou de pau. De certa feita, lá para as tantas, extenuado com esse movimento monótono e repetitivo, Zé Cintra molestou, com o espeto, o dedo grande do pé direito. Sentiu por muito tempo uma dor fina, renitente, que o impedia de caminhar. O implacável Antônio não se fez de rogado, rebatizou seu primo como Pé-de-Espeto.

E não ficou por aí: seu parente, Alfredo Cintra (1900-1963), pai de Alfredinho (1929-2004), como todo comerciante que se preza era “chorão” e sempre negava o lucro que tinha nas suas operações de compra e venda de milho, feijão, mamona. O “Armazém de Compras” dele ficava onde hoje é o “Self-Service” de Miguelito Pereira. Antônio achava que Alfredo Cintra estava ganhando muito dinheiro ao que este refutou a afirmação dizendo que “os preços das mercadorias não lhe deixavam margem de lucro”. E acrescentou que “só lhe ficava como lucro na transação o “caqueio” da balança, isto é, as pequenas oscilações da balança, acumuladas durante o dia, em decorrência de sucessivas porções, isoladamente pesadas”. Essa explicação de natureza técnica foi o suficiente para que Antônio Cintra obsequiasse Alfredo Cintra com o cognome de Caqueio.

Bento Cintra Lins ganhou o apelido de Manjaléu porque “era feioso, narigudo, orelhas grandes, mãos enormes, dedos longos e chatos e além do mais falava com lentidão e movia-se como uma preguiça”. Por incrível que possa parecer, esta palavra está dicionarizada e é um brasileirismo do Nordeste, significando “papão”, monstro imaginário. Já Balbino Mendes, misto de músico e de barbeiro, admirador do faro apurado dos cães perdigueiros, mesmo tendo cortado o cabelo e raspado a barba do homem que lhe alcunhou, recebeu o sugestivo adendo de Papa-lagartas. Balbino sempre usou óculos e boné e talvez, por esta razão, se parecesse aos olhos de Antônio Cintra com uma ave devoradora de lagartas.

José Calado era caixeiro da mercearia do próprio Antônio Cintra e uma pessoa completamente sem vocação para a arte de “despachar” os fregueses. Zé Calado não conhecia algumas mercadorias ou fingia não conhecê-las. De modo que se o freguês pedisse charque, ele de imediato dizia que estava em falta, pois só conhecia esse tipo de carne pelo nome de “ceará”. Igualmente, se alguém pedisse querosene, ele não atendia, porque só conhecia o derivado de petróleo pelo nome de “gás”. Por estas e por outras, José Calado recebeu do patrão o não muito lisonjeiro apelido de Casca Grossa.

E assim foi Antônio Cintra Valença, um apelidador nato, gozador emérito, cujas alcunhas acompanharam os alcunhados até a sepultura.

Esse negócio de botar apelido, de dar vaia no sol, nos bêbedos, e nos artistas, cujos filmes foram exibidos nos antigos cinemas da cidade, sempre foi um traço característico de nossa gente, gente brincalhona, sempre de bem com as vicissitudes desta nossa vida passageira.



Bibliografia:
“Os Cintra de São Bento”, Recife, 1983.


E-mail:

orlandocalado@yahoo.com.br
Veja fotos recentes de São Bento acessando www.orlandocalado.flogbrasil.terra.com.br

Pau Amarelo PE 30 de junho de 2007

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 246 - 16/07/2017 - História de São Bento do Una, Pernambuco, Brazil
Coluna 245 - 10/05/2017 - Pleito de gratidão a Dirceu e Ludgero
Coluna 244 - 14/04/2017 - Historia Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injustiça imperdoável
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una