Nublado a parcialmente nublado com chuva fraca

Máxima: 28 ºC
Mínima: 18 ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 136: Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Publicada dia 07 de Junho de 2008

Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem

Ainda no início do ano de 1881, mais precisamente no dia nove de janeiro, foi publicado um relatório do governo provincial sobre o abastecimento d´água no Recife. O documento, assinado pelo engenheiro civil Luiz Francisco Monteiro de Barros já alertava que seriam necessárias providências com vistas a evitar, em futuro próximo, o risco de desabastecimento. Na época, o fornecimento d´água era feito pela Companhia do Beberibe, por conta de um contrato celebrado em 1838, inicialmente com prazo de 35 anos e depois prorrogado por mais 20 anos.

Vamos transcrever parte do relatório de Monteiro de Barros que explica sua preocupação com o problema, uma vez que as águas do Rio Capibaribe, devido ao seu grau de salinidade não se prestavam ao consumo humano e sim animal e industrial.   Na fazenda Beberibe foi construída a barragem e a partir de chafarizes a água era acondicionada em tonéis e carregada em carroças a tração animal para o centro do Recife.

Dizia o documento: "Assim, supondo que a população desta cidade fosse então de 50.000 almas, podia a Companhia fornecer diariamente 40 litros d'água por habitante, o que já era alguma coisa à vista da pouca importância que ainda se ligava, mesmo na Europa, ao fornecimento abundante d"água às cidades, como elemento essencial de salubridade e, portanto, de progresso.

Hoje, porém, depois de transcorridos mais de 35 anos, quando a população da cidade está duplicada, quando o progresso da ciência hidráulica e das artes correlatas tem facilitado tanto os meios de se fazer economicamente as obras necessárias para o abastecimento d´água ás cidades, hoje que a prosperidade desta cidade criou necessidades que exigem um fornecimento d´água profuso, a Companhia do Beberibe conserva-se ainda no mesmo pé em que foi instalada,  não cuidando de desenvolver as suas obras para ao menos poder sustentar o fornecimento diário de 40 litros d´água por habitante. Relativamente, pode-se dizer que a companhia retrogradou, pois que agora apenas pode fornecer 15 litros por habitante."

Diante de tão sérias afirmativas como a redução da oferta diária de água por habitante, a falta d'água assusta a população mais esclarecida e bem aquinhoada da capital da província. Rio de pequena extensão, o Beberibe não mais tinha mais condições de abastecer por inteiro o Recife dentro daquele minimum minimorum de ração d´água, principalmente levando em conta as temperaturas elevadas  que, naturalmente, convidam as pessoas a um banho refrescante e restaurador depois de um dia de trabalho. Muito diferente dos países da Europa Ocidental onde as baixas temperaturas dispensam esses banhos diários.

E o engenheiro propôs outras alternativas de abastecimento, senão a retirada d´água dos açudes de Dois Irmãos e do Prata, elevando o fornecimento para 100 litros de água per capita. Por fim, alertava Monteiro de Barros para a necessidade de se buscar outros mananciais como ponto importante para ser investido nas próximas décadas.

...

Em primeiro de março de 1882, Epaminondas de Barros Correia, vice-presidente de Pernambuco, abriu solenemente a sessão da Assembléia Legislativa Provincial, tendo apresentado um relatório que fazia um apanhado das ações de segurança pública do ano anterior. Naqueles tempos, os representantes com assento na referida assembléia não eram chamados de deputados e sim de membros e nessa condição tinham acesso às informações sobre o combate à criminalidade e às principais ocorrências registradas, não obstante as precariedades na coleta das informações. 

O relatório dizia que Pernambuco teve 32 réus capturados, sendo 13 por furto, seis por ferimentos e ofensas físicas e um por tomada de presos do poder das respectivas escoltas. Também foram capturados 14 desertores, sendo 12 do Exército e dois da Armada Brasileira. Informava, ainda, que ocorreram duas mortes por suicídio e foram registradas outras nove tentativas. Com relação às mortes casuais, foram 29 casos, além de um falecimento por imprudência. Como fatos notáveis, foram relatados três incêndios e um acidente na estrada de f erro.

Os portugueses eram os estrangeiros que chegavam em maior número a Pernambuco. Dos 340 que aportaram na província. 327 eram de Portugal, mas havia também ingleses, espanhóis e franceses.

A força policial pernambucana era composta por 850 elementos, distribuídos em 53 delegacias. A preocupação maior das autoridades policiais da época era com a existência de um grupo de malfeitores que agia no interior da província. O próprio relatório do chefe de polícia asseverava que com a volta das chuvas muitos delinqüentes abandonavam o bando, certamente para fazer os seus roçados.

Este relatório de 1881 é uma prova cabal de que a criminalidade só existe, com raríssimas exceções, nos lugares onde a miséria predomina e não há lugar para trabalho honesto e digno. No caso específico, com as chuvas caindo no interior da província os bandos armados tinham seus efetivos diminuídos, ficando neles somente aqueles que nunca foram afeitos aos trabalhos da lavra do campo. O pobre e o miserável só entram para a cena do crime quando não há uma atividade digna para seu sustento e de sua família. Uma música da lavra de Luiz Gonzaga e letra de Zé Dantas diz com muita propriedade o que muitos compêndios sócio-antropológicos não são capazes de ensinar: "Seu doutor uma esmola, ao homem que é são, ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão". Os autores de Vozes da seca, primeiro disco da chamada música de protesto lançado no Brasil, estavam a se referir à terrível seca que se abateu em todo o Nordeste em 1952.

No mês de dezembro deste mesmo ano, víamos levas e mais levas de pernambucanos viajando para um novo eldorado, ou seja, o lugar da promissão onde todos, sem distinção, poderiam ter melhores condições de vida e criar os seus filhos decentemente. Naquele tempo, as pessoas vindas das regiões em torno de Garanhuns tinham que passar por São Bento do Una, para pegar a estrada conhecida como contra-seca em Belo Jardim e de lá seguir para Sertânia e atravessar o São Francisco em Petrolândia, pois que para Paulo Afonso ainda não existia estrada, apesar da construção da usina hidrelétrica do São Francisco. Nesse mesmo começo de dezembro, uma mulher, chamada dona Lindu, após vender sua criação e tudo mais que pudesse transformar em dinheiro, levou sua filharada para São Paulo, na esperança de dias menos dramáticos advindos da falta de comida, e foi atrás do seu marido que, longe do pobre distrito de Caetés, município de Garanhuns, já havia arranjado outra mulher e com ela constituído nova família.

A seca de 1952 foi braba e dona Lindu conseguiu vender tudo que possuía, até seus animais domésticos, porcos, ovelhas e galinhas, para empreender tão longa e atribulada viagem, cujos êxitos eram por demais imprevisíveis. Afinal, pensava ela, somos gente da roça que sabemos lidar com a terra seca e áspera e cuidar das nossas cabras e ovelhas. O que iríamos fazer no mais poderoso estado do Brasil, terra do café e do dinheiro, se não tínhamos estudo? Ora, se essa gente só sabia lidar com a terra seca, animais e as crianças, o que fazer em São Paulo? Mas, dona Lindu mostrou toda sua determinação da gente boa e de fé do Nordeste. Foi à luta. Lavou roupa e passou ferro, pois sabia engomar um terno como ninguém. De tábuas usadas fez para um dos filhos uma caixa de engraxate. Enfrentou todo o tipo de adversidade e a decepção maior foi ver que seu marido, em Santos, havia se unido a uma prima e já tinha um monte de filhos. O destino das pessoas é um mistério indecifrável. Aquele garotinho de barriga grande cheia de lombrigas e o nariz com catarro escorrendo, que passou em São Bento do Una, como ex-flagelado, já realizava os seus primeiros trabalhos na rica cidade de Santos, exportadora de todo o café, vendendo frutas na feira para ajudar a mãe, dona Lindu, a manter seu casebre numa favela. Do seu pai verdadeiro, Luiz Inácio não recebeu o mínimo apoio para que pudesse estudar e ser pelo menos um operário médio da indústria paulista. Dona Lindu teve que enfrentar toda uma série de dificuldades para acabar de criar os filhos, os quais não tiveram a instrução regular, sendo que Lula conseguiu se matricular num curso de mecânico do Senai.

A verdade é que ninguém foge ao seu destino. Para se vencer na vida é necessário que a pessoa esteja no lugar certo e na hora exata. Isto justifica porque pessoas de alto talento não conseguem se tornar estrelas de sua profissão ou mesmo da política. Lula detestava política. Depois do curso de mecânico no Senai foi trabalhar numa indústria famosa, a Vilares. Como tinha mais leitura do que os demais irmãos, certo dia foi convencido pelo mais velho deles de que deveria entrar para a vida sindical, onde teria a oportunidade de conviver com os problemas vividos pelos trabalhadores brasileiros numa época em que a inflação corroia rapidamente o salário e que a reposição das perdas salariais sempre era negada pelo governo e pelos poderosos patrões sob o pretexto de que reajustes faziam aumentar, ainda mais, os índices de inflação. A partir de então, surgia o maior sindicalista brasileiro de todos os tempos, comandando as greves dos metalúrgicos de São Bernardo, SP, que desafiaram o poder militar e que concorrerem para a distensão política e abrandamento do regime ditatorial.

Programas do tipo "bolsa-família" tem o condão de diminuir a miséria dos estratos menos favorecidos pela sorte. É uma espécie primária de distribuição ou repartição da renda nacional. Esse programa tem que ser uma espécie de porta de saída para outras atividades e também para a manutenção das crianças e jovens na escola. Convicções religiosas à parte, nós constatamos que está mais do que provado que o que realmente salva as pessoas é a educação de qualidade. Com ela, o cidadão progride e concorre para o desenvolvimento da nação. Contudo, a melhor distribuição de renda é aquela derivada do emprego ou da atividade empresarial.

Aquele famoso ofício da Câmara da vila de S. Bento ao presidente da província, datado de janeiro de 1877, no auge da grande seca que se abateu sobre todo o Nordeste, já fazia uma acerbada crítica à distribuição de comida aos flagelados sem uma contrapartida.  E citava o exemplo do Açude do Missionário que havia sido construído por um preço bem abaixo do preço dos tempos fora de seca. Os vereadores da vila de São Bento já achavam que a ajuda direta em comida, em roupa e em medicamento, não era o correto. O correto seria empregar essa mão-de-obra de flagelados na construção de obras públicas, principalmente aquelas que viessem minorar possíveis estragos derivados de novas estiagens, como a construção de barreiros, cisternas, açudes e de barragens para represar as águas. Obras públicas, como construção de estradas, absorvem grande mão-de-obra especialmente a não-especializada. O autor deste ensaio é testemunha ocular de que, quando se dá emprego a quem dele precisa, muitos dos problemas de violência diminuem de maneira substancial. Então, quando da construção do trem subterrâneo do Rio de Janeiro, era comum o aumento da criminalidade (roubos e furtos) nas muitas vezes em que as obras eram paradas por falta de verbas públicas ou falência da empreiteira.

A ajuda do programa bolsa-família é bem vinda para muitas famílias que não tinham o mínimo para sobreviverem e que hoje podem manter os seus filhos na escola, abrindo novas perspectivas de uma vida futura melhor.

...

No ano de 1882, os aparelhos telefônicos tornaram-se o que hoje chamamos de sonho de consumo na cidade do Recife de Pernambuco. Assim é que em 29 de janeiro do antes citado ano, o Diário de Pernambuco publicou uma esquisita ilustração de um aparelho criado pelo francês Ader, que havia sido premiado na feira de eletricidade de Paris por suas inovações tecnológicas. O periódico dizia ainda que o "desenho é de um aparelho para uma única comunicação". E explicava: "A maneira de usar os telefones de Ader era simples: para chamar basta apoiar o dedo sobre o botão central colocado no alto, e para corresponder ao aviso deve a pessoa chamada proceder do mesmo modo. Depois, tomam-se os dois receptores da esquerda e da direita e aplicam-se aos ouvidos. Deste modo, a pessoa acha-se habilitada a ouvir e falar ao mesmo tempo. Para falar e poder ser ouvida, basta fazê-lo a um ou dois palmos de distância do telefone transmissor, que é o aparelho em forma de escrivaninha. As experiências recentemente feitas provam que estes aparelhos transmitem a palavra a mais de quatrocentos quilômetros".

Para terminar, vamos transcrever uma notícia publicada no dia 17 de fevereiro de 1882: "Atropelamento: Anteontem, cerca de três horas da tarde, um dos carros da companhia Ferro Carril da linha Madalena atropelou um cavalo, no passar do pátio de Santa Cruz. O dono do animal gritou e tanto bastou para que se reunisse muito povo, no meio do qual entrou a correr o boato de que uma criança fora esmagada. O boato tomou vulto, o povo opôs-se a que outros carros, da mesma linha, seguissem o seu caminho, chegando a aglomerar-se ali quatro veículos, tudo a pretexto de prender o boleeiro do carro que se dizia ter causado o acidente. Às 5 da tarde compareceu o subdelegado da freguesia da Boa Vista, que tomando conhecimento do fato e averiguando o ocorrido fez dispersar    o ajuntamento e mandou seguir os carros".

...

(Por hoje, é só)

E-mail: orlandocalado@yahoo.com.br

Fotos de São Bento: www.orlandocalado.flogbrasil.terra.com.br

Para sintonizar a Rádio São Bento FM: www.radiosaobentofm.com.br/radio2.html




 




 




 

Pau Amarelo PE 07 de junho de 2008

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 245 - 10/05/2017 - Pleito de gratidão a Dirceu e Ludgero
Coluna 244 - 14/04/2017 - Historia Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injustiça imperdoável
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una