Nublado a parcialmente nublado

Máxima: 31 ºC
Mínima: 18 ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 69: Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Publicada dia 17 de Fevereiro de 2007

Gilvan Lemos, simplesmente um escritor

Nos dias atuais, ele é um dos escritores brasileiros de fertilidade e talento indiscutíveis. É um homem que sempre procurou viver, mesmo que sem ostentação, do produto dos seus numerosos livros e dos parcos proventos de funcionário público, o que não deixa de ser um fato raro alguém viver praticamente da profissão de escritor. Um luxo que só um João Ubaldo Ribeiro (1941) pode desfrutar. A grande dificuldade de Gilvan sempre foi em editar os seus trabalhos, tendo como base o Recife, lugar em que ele nunca abriu mão para vôos mais altos em centros literários de maior intensidade como o Rio de Janeiro e São Paulo. Não, amigos, ele sempre preferiu viver na sua província por estar ligado a ela por um portentoso cordão umbilical que o tempo não foi capaz de romper. Ele não pode ser considerado um escritor regionalista pelo simples fato de escrever sobre o ambiente em que vive, sua realidade. Ele retrata pessoas com as quais convive e recorda os momentos indeléveis de sua infância e adolescência numa cidade do interior cheia de tipos engraçados. Ele não é um regionalista no sentido de um José Lins do Rego (1901-1957) e de José Américo de Almeida (1887-1980) que descreveram a realidade das usinas e engenhos do Nordeste ou se aprofundaram em temas de suas épocas como o cangaço, fruto da desigualdade e da falta de justiça, assim como o domínio, a mão de ferro, dos chefes políticos do interior que eram as autoridades supremas.

Gilvan, como ele mesmo não se cansa de afirmar, escreve sobre o que conhece, sabe e que o emociona. Um bom romance para ele é aquele que provoca emoções no leitor, que o prende do começo ao fim. Ele, como todo homem despojado, gosta de coisas simples. Não gosta de romances experimentais, enredos misteriosos, incompreensíveis, jogo de palavras. O leitor médio não quer isso. O que ele deseja é ter prazer na leitura e não ficar sem entender a mensagem ou a trama proposta. Ler para ele é diversão, entretenimento, passatempo cerebral. Nunca sofrimento. Por isso, o escritor deve respeitar o leitor e lhe transmitir uma mensagem clara e objetiva. E acrescenta que quando o romance é bom não se restringe a escolas literárias. O bom romance é atemporal, ou seja, não tem idade e independe de tempo.

Gilvan é homem de convicções e opiniões próprias, não afeito a literatices, holofotes, badalações nem ao comparecimento a reuniões para aparecer, no dia seguinte, ao lado de figurões da cena política, empresarial ou social nessas colunas sociais plenas de futilidades. Ele não é chegado a eventos do tipo “tarde ou noite de autógrafos”, com aquela fileira de gente, livro à mão, esperando de modo comportado a vez de obter a assinatura do autor. Não, isso não é do seu jeito, do seu modo de ser, embora muita gente não aceite esse procedimento que considera insólito. A forte personalidade de Gilvan deve ser respeitada. Ele é um homem modesto, um homem não afeito a badalações, a puxa-saquismo de qualquer natureza. É um escritor de mérito, cuja robusta obra bibliográfica será suficientemente grande para figurar entre os imortais romancistas e contistas da literatura brasileira. O que lhe falta, quem sabe, seja uma divulgação e distribuição mais intensa do seu trabalho nas livrarias dos grandes e médios centros do Sudeste. Como homem sabedor do seu valor, nunca tomou parte nas corriolas dos que fazem política literária para granjear votos ou negociar uma vaga em grêmios de escritores. Talvez, pelo fato de ser um homem independente e cioso do seu valor como intelectual, nunca se dispôs a pedir ou regatear votos com vistas a ingressar numa academia de letras. Para tanto, ele possui gabarito moral, envergadura intelectual e bagagem literária não só para fazer parte da Academia Pernambucana de Letras (APL), mas lastro em moeda forte e retaguarda cultural para pertencer a Academia Brasileira de Letras (ABL), ambas, hoje, povoadas por mediocridades de todas as espécies. Dos quarenta integrantes da ABL, é bem provável que uns quinze ou vinte tenham talento e merecimento para pertencer a tão alto sodalício.

Desde a mais tenra idade que Gilvan tem na leitura o alimento para sua inquieta alma. Começou lendo os gibis e livros que o hoje excelente cronista Leone Valença, ainda meninote, ia buscar em Caruaru na boléia do caminhão de seu Joventino Gomes, para vendê-los à garotada de São Bento, uma cidadezinha fora de mão, cuja localização à margem direita do rio Una não poderia estar no traçado da ferrovia da Great Western nem da estrada conhecida pela matutada como “contra a seca”. Isto aconteceu nos anos iniciais e incertos da década de 1940. Notando o interesse do menino pela leitura, os mais velhos da cidade sugeriram a leitura dos livros do genial Monteiro Lobato (1882-1948), iniciador e mestre da literatura infantil e um dos principais responsáveis pela divulgação do livro e da leitura no País. O futuro escritor devorava celeremente os livros lobatianos, embora o intuito maior fosse o de se divertir com as encantadoras historinhas e as presepadas de Emília, permeadas de úteis conhecimentos de história e geografia para os jovens.

Passada a fase infantil dos gibis e das historinhas de Lobato, o rapazinho Gilvan partiu para leituras mais fortes e consistentes como “O conde de Monte Cristo”, de Alexandre Dumas (1802-1870), primeiro romance que leu e que o conquistou definitivamente. Sua preferência sempre foi pela ficção. Ele não pode conceber como alguém passa pela vida sem ter interesse pela literatura. A leitura daquele romance foi decisiva para Gilvan tomar gosto e começar a rabiscar suas primeiras historinhas. A partir de então, o ato de escrever passou a ser o seu objetivo maior, a sua finalidade de vida. Quando está a criar, ele se desprende do mundo real e não se interessa mais por coisa alguma. Ele vive intensamente os personagens que cria, sofrendo com eles as suas angústias, tristezas, alegrias e emoções. Ele muito aprendeu com o escritor Osman Lins (1924-1978), cuja obra, marcada por inovações formais e reflexão profunda sobre a condição humana, se constitui um momento sem paralelo na literatura brasileira. Com o autor de “Lisbela e o prisioneiro”, Gilvan aprendeu que “quem convive com mágicos termina tirando coelhos do bolso”. Foi o que aconteceu com Gilvan, pois que “se não fossem as influências, a arte em geral não teria prosseguido”.

Ele tem prazer em escrever, em criar, principalmente nos tempos de hoje em que se tem o privilégio de se dispor de um teclado e um monitor ligado a um microcomputador onde se pode fazer as alterações na hora ou no momento que quiser. Tudo flui com naturalidade e sem o sofrimento nem o sacrifício que Rachel de Queiroz (1910-2003) confessou a respeito do ato de escrever. Talvez seja por isso que a produção literária da falecida escritora cearense, em termos de romance, tenha sido tão pequena e os livros tão fininhos a ponto de não ficar em pé, como reclamava a mãe da escritora.

É evidente que ninguém nasce sabendo. A pessoa mesmo tendo pendores literários precisa ler autores diversos e a partir deles forjar o seu próprio estilo. Mal comparado, é como os cantores novos do século passado que começavam imitando o seu ídolo e depois se libertando e tomando o seu próprio estilo. Gilvan se iniciou para a vida literária quando pontificavam nas letras brasileiras figuras como Érico Veríssimo (1905-1975), José Lins do Rego (1901-1957), Jorge Amado (1912-200l), Lúcio Cardoso (1913-1968). Esses autores Gilvan não só os amou como os imitou desordenadamente. Hoje, com seu faro apuradíssimo, ele depurou esses autores, salvando dois ou três romances de Lins do Rego e de Veríssimo e riscando Cardoso e Amado. Já por Graciliano Ramos (1892-1953), Gilvan tem uma identificação com todos os seus livros, pelo seu apuro e despojamento da escrita.

Como talento é talento, Gilvan começou a escrever ainda em São Bento do Una, uma cidade perdida no agreste pernambucano e deslocada da ferrovia que passava por Belo Jardim, vinte e um quilômetros distante e que, com a chegada do trem no começo da tarde, poder-se-ia comprar um jornal da capital e ficar por dentro do que se passava mundo afora. Nessa época, a elite são-bentense mandava seus filhos estudar no Recife e não se preocupava em fundar um colégio em que os meninos e meninas, terminado o primário, pudessem melhorar seus conhecimentos e alçar vôos mais altos. A cidade, apesar de ter um clima aprazível, nunca atraiu para ela nenhum convento onde se pudesse instituir um ensino de grau médio como havia em Pesqueira e Bom Conselho, isso sem falar em Garanhuns. Não, em São Bento a elite só se preocupava com o gado e a produção de leite para suprir a demanda das fábricas de queijo e de manteiga abertas na cidade. São Bento bem que poderia ter instituído, pelo menos, um curso em nível do antigo ginásio. Para tanto, dispunha, no início dos anos 1940, de um pároco, um padre suspenso de ordem, um juiz de direito, um promotor de justiça, um ou dois médicos, um advogado, mesmo de ofício, um coletor de tributos, que poderiam muito bem ministrar aulas de português, latim, francês, inglês, ciências, matemática. Poderia até vir gente de Belo Jardim ou de Garanhuns ensinar matérias que não tivessem especialistas em São Bento.

Gilvan não contava com colégio nem tão pouco com biblioteca na qual pudesse saciar sua vontade de aprender. Contava, apenas, com a estante de sua irmã mais velha, que apesar de não ter ido além do primário, era de uma inteligência fulgurante e uma devoradora da melhor literatura da época. Assim, com a ajuda e o incentivo dela, Gilvan viu publicado na revista mineira “Alterosa” o seu primeiro conto para o gáudio da gente são-bentense, admirada com o pendor e talento literário do seu dileto filho. No ano de 1948, outro conto foi publicado e Gilvan sentiu o gostinho agradável da fama que se iniciava e já se considerava um escritor.

Ficar em São Bento, trabalhando no escritório da Fábrica de Laticínios Souza Valença, em meio daquele mosqueiro insuportável, não era futuro para esse jovem sequioso de conquistar o mundo literário e deixar o seu nome gravado indelevelmente, como de fato está, hoje, na literatura brasileira. Aos vinte anos e se julgando “velho” para iniciar o curso ginasial, mudou-se para o Recife e passou a ler e freqüentar as bibliotecas. Seu esforço não foi em vão. Já em 1951, obteve o prêmio instituído pelo governo de Pernambuco para romances inéditos, com “Noturno sem música”, publicado em 1956, em edição particular, e que causou enorme furor na sociedade conservadora de São Bento do Una em razão do amor de um jovem por uma mulher casada. Houve debates na Câmara de Vereadores e nos bares da cidade. O vereador Sebastião Soares Cintra (1922-2004) em vibrante pronunciamento defendeu a obra de Gilvan Lemos, não vendo nela nenhum traço de imoralidade.

O romance de estréia do autor são-bentense passou completamente despercebido pela crítica literária da província, fato que deixou o novel autor decepcionado. Ora, um valor que, com vigor e proposta renovadora, numa seara tão difícil como a literatura deveria ter sido incentivado e saudado como uma grande promessa das letras pernambucanas. Ele mandou exemplares do romance inicial para diversos cronistas de jornais do Recife, mas não viu uma só linha escrita a respeito de “Noturno sem música”. Omitiram-se e a omissão é algo próprio dos espíritos covardes e por que não dizer invejosos? Gilvan, menino bom e sincero, achava que publicando um romance estaria realizado e saudado por todos como um escritor. Não desanimou. E continuou escrevendo, essa paixão de toda sua vida, mesmo que fosse só para ele. Porém, tinha que compartilhar com outras pessoas as suas histórias, as suas emoções.

Mais de uma década depois, incentivado por Osman Lins, tomou coragem e resolveu arriscar-se, remetendo um novo romance à Editora Civilização Brasileira, na época, a mais importante do Brasil. O livro, “Emissários do diabo”, foi aceito pela comissão editorial e publicado em 1968. Daí então, as portas se abriram para Gilvan e vários romances foram editados no eixo Rio, São Paulo e Porto Alegre. A partir dessa época foi que o povo pernambucano passou a conhecer Gilvan de Souza Lemos.

O festejado autor tem mais de duas dezenas de livros publicados entre romances, novelas e contos, alguns premiados nacionalmente e outros já em terceira edição. Seu último livro que veio a lume foi “A era dos besouros”, constituído de três novelas curtas: “Ritual de danação”, uma paráfrase do personagem bíblico Jó, “Alugam-se quartos”, que descreve os dramas íntimos dos moradores de pardieiros recifenses e a terceira “A era dos besouros”, que dá título à obra, é a história duma família que vive momentos duvidosos durante a última ditadura militar. Para futuro lançamento, Gilvan preparou o livro de contos “Na rua Padre Silva”. Esses contos são quase um romance a respeito de pessoas humildes de uma rua de pobres.

Gilvan é assim: autêntico por natureza, sem frescuras. Não gosta de falar sobre sua obra. O que ele gosta é de escrever. Acha que o escritor não tem que explicar sua obra. Nunca fez parte de grupelhos, porquanto tinha receio dessa gente culta e procurava ficar o mais afastado possível. Já pelejaram para que Gilvan fosse membro da Academia Pernambucana ou Recifense de Letras. Ele sempre resistiu porque não se sente bem nesses ambientes. Não é chegado a conferências, palestras, “workshops” ou coisas semelhantes. Muito pelo contrário, detesta-as. Quando recebe um convite para o lançamento de um livro dele em São Paulo, ele resiste o quanto pode e só viaja mesmo a pulso. É um homem autêntico, sincero, e por isso mesmo respeitado por suas opiniões: “Eu gosto de escrever, não gosto de explicar, não gosto de fazer conferência, de dar conselhos, não sou conferencista. Eu acho uma besteira, ninguém ensina ninguém a ser escritor. Escritor já nasce quando começa a ler, se agradar e imitar. A arte sobrevive através da imitação”, não se cansa de dizer o nosso festejado romancista.

Assim é Gilvan, um homem que escreve naturalmente desde criança. Um homem que apesar da fama nunca esqueceu o seu torrão natal. Tal qual o notável poeta Alceu Valença, muito tem contribuído para a divulgação da nossa terrinha, essa São Bento que se tornou inconfundível entre tantas outras localidades brasileiras do mesmo nome quando adotou o complemento “do Una”, esse rio de periódicas águas barrentas onde a maioria dos meninos do meu tempo aprendeu a nadar e a mergulhar. Eu sei que Gilvan é de um tempo em que a cidade era apenas São Bento. Na intimidade São Bento do Una é e sempre será simplesmente São Bento.

Não sei se Gilvan lerá estas mal traçadas linhas, neste Portal de São Bento do Una, mas, mesmo assim, lhe envio um forte abraço e agradecimentos por nunca se furtar, através do correio eletrônico, de me tirar dúvidas a respeito de pessoas e fatos mais antigos da nossa cidade. Aproveito o ensejo para, de público, lhe pedir que aceite o próximo convite e se candidate a uma cadeira na Academia Pernambucana de Letras, não por você que não é afeito a essas coisas, mas como uma homenagem ao povo e a terra que nos viu nascer.

Gilvan, saúde e vida longa para você.




E-mail:

OrlandoCalado@yahoo.com.br

Pau Amarelo PE 17 de fevereiro de 2007

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 246 - 16/07/2017 - História de São Bento do Una, Pernambuco, Brazil
Coluna 245 - 10/05/2017 - Pleito de gratidão a Dirceu e Ludgero
Coluna 244 - 14/04/2017 - Historia Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injustiça imperdoável
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una