Nublado a parcialmente nublado com chuva isolada

Máxima: 30 ºC
Mínima: 18 ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 171: A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Publicada dia 16 de Julho de 2009

A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)

Transferência de concessão feita a Joaquim Xavier Carneiro de Lacerda para a Companhia de Engenhos Centrais nos Estados da Paraíba do Norte e Sergipe

O Decreto n° 321, de 11 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, atendendo ao que requereu Joaquim Xavier Carneiro de Lacerda, cessionário pelo Decreto n° 214, de 22 de fevereiro de 1890, de um engenho central com garantia de juros de 6% ao ano sobre o capital de 750 contos de réis, destinado ao fabrico de açúcar e álcool de cana no município de Jaboatão, Estado de Pernambuco, autorizou a transferência da mesma concessão com todos os direitos e obrigações à Companhia de Engenhos Centrais nos Estados da Paraíba e Sergipe.

 

Alteração de classificação de comarca

O Decreto n° 322, de 12 de abril de 1890, na pasta da Justiça, elevou à segunda entrância a comarca de Porto Calvo, no Estado de Alagoas.

 

Concessão de permissão para a lavra de ouro e outros minerais

O Decreto n° 323, de 12 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, concedeu ao engenheiro Martiniano da Fonseca reis Brandão permissão para lavrar ouro e outros minerais em terrenos de sua propriedade no município de S, Gonçalo do Sapucaí, Estado de Minas Gerais, mediante cláusulas anexas ao presente ato.

 

Declaração de entrância de comarca

O Decreto n° 324, de 12 de abril de 1890, na pasta da Justiça, declarou de primeira entrância a comarca de S. Miguel dos Guanhães, criada no Estado de Minas Gerais. O promotor público teve seu vencimento anual fixado em um conto e 400 mil réis, sendo 800 mil réis de vencimentos e o restante de gratificação. Também foi criado o cargo de juiz municipal e de órfãos no termo de S. Miguel dos Guanhães, de que se compunha a comarca do mesmo nome.

 

Elevação da Secretaria de Polícia do Estado de S. Paulo à categoria igual às da Bahia e Pernambuco

O Decreto n° 325, de 12 de abril de 1890, na pasta da Justiça, elevou à Secretaria de Polícia do Estado de S. Paulo à categoria igual às da Bahia e Pernambuco e em razão disso os empregados passaram a perceber os vencimentos da tabela n° 2 anexa ao Decreto n° 5423, de dois de outubro de 1873.

 

Declaração de entrância de comarca

O Decreto n° 326, de 12 de abril de 1890, na pasta da Justiça, declarou de primeira entrância a comarca da Varginha, criada no Estado de Minas Gerais. O vencimento anual do promotor público foi fixado em um conto e 400 mil réis, sendo 800 mil réis de ordenado e o restante de gratificação.

 

Criação de um corpo de Engenheiros Navais

Pelo Decreto n° 327, de 12 de abril de 1890, na pasta da Marinha, o Governo, atendendo a que todas as marinhas regulares tinham reconhecido serem indispensáveis as especialidades da engenharia naval, que constituíam os elementos de organização dos arsenais, por ser a base de sua conservação e de seu desenvolvimento material; a que ao serviço da Armada Nacional, mas diferentes especialidades já existiam alguns oficiais, os quais, de fato, exerciam uma profissão diversa da que constituía o verdadeiro tirocínio do oficial de marinha; que os referidos oficiais foram recentemente transferidos do quadro efetivo da Armada no intuído de se formar um corpo especial, o que não estorvassem o acesso dos que exclusivamente se dedicavam à vida do mar; que este importante da organização da marinha carecia de ser desenvolvido para corresponder às exigências do serviço e ao progresso e engrandecimento da Força Naval, resolveu criar o Corpo de Engenheiros Navais que se regeria pelo regulamento baixado por este ato. Este corpo compreenderia todos os profissionais empregados nas especialidades de construção naval, máquinas a vapor, artilharia e pirotecnia, torpedos e eletricidade e hidráulica, dividido em três seções: 1ª seção: construção naval, máquinas a vapor; 2ª seção: artilharia e pirotecnia, torpedos e eletricidade e na 3ª seção: hidráulica. O quadro do Corpo de Engenheiros Navais tinha o seguinte efetivo: três engenheiros de 1ª classe no posto de capitão de mar e guerra; cinco engenheiros de 2ª classe no posto de capitão de fragata; seis engenheiros de 3ª classe, no posto de capitão-tenente, seis subengenheiros de 1ª classe no posto de 1° tenente; seis subengenheiros de 2ª classe no posto de 2° tenente e seis engenheiros alunos no posto de guarda-marinha. O regulamento continha 49 artigos regulando o assunto.

 

O Decreto n° 328 não foi publicado

 

Regulação de outros casos em que os oficiais da Armada deviam passar para a reserva

O Decreto n° 329, de 12 de abril de 1890, na pasta da Marinha, resolveu que além dos oficiais do corpo da Armada (art. 3°, parágrafo 4° do Decreto n° 108-A, de 30 de dezembro de 1889), passassem à reserva os oficiais do mesmo corpo e classes anexas que: 1 – fossem nomeados para ao corpo diplomático ou consular do Brasil; 2 – que exercessem em outros ministérios cargos permanentes ou vitalícios; 3 – que desempenhassem m terra qualquer comissão de caráter civil, estipendiada por outro ministério ou por um Estado da República. Os oficiais que em razão das hipóteses acima descritas abriam vaga, não perceberiam soldo, não contavam antiguidade e o tempo de serviço seria contado pela metade. Excetuavam os oficiais que tivessem ocupado o cargo de “Primeiro Cidadão da República”, de ministro de Estado ou “secretário da Nação, governador de algum Estado ou que estivessem desempenhando missões diplomáticas especiais ou fizessem parte do magistério do Ministério da Marinha.

 

Regulamento de reorganização do ensino nas escolas do Exército

O Decreto n° 330, de 12 de abril de 1890, na pasta da Guerra, considerando que era de urgente e indeclinável necessidade aperfeiçoar e completar, tanto quanto fosse possível, o ensino nas escolas destinadas à instrução e educação militar, de modo a atender os grandes melhoramentos da arte de guerra, conciliando as suas exigências com a missão altamente civilizadora, eminentemente moral e humanitária que de futuro estava destinada aos exércitos no continente sul-americano; considerando que o soldado, elemento de força, deveria ser desde então o cidadão armado, corporificação da honra nacional e importante incorporador do progresso como na garantia da ordem e da paz públicas, apoio inteligente e bem intencionado das instituições republicana, jamais instrumento servil e maleável por uma obediência passiva e inconsciente que rebaixava o caráter, aniquilava o estímulo e abatia o moral; considerando que o militar precisava de uma suculenta e bem dirigida educação científica que, preparando-o para com proveito tirar toda a vantagem e utilidade dos estudos especiais de sua profissão, o habilitasse pela formação do coração, pelo legítimo desenvolvimento dos sentimentos afetivos, pela racional expansão de sua inteligência, a bem conhecer os seus deveres, não só militares como principalmente sociais e por fim considerando que isso só poderia ser obtido por meio de um ensino integral onde fossem respeitadas as relações de dependência das diferentes ciências gerais, de modo que o estudo pudesse ser feito de acordo com as leis que têm seguido o espírito humano em seu desenvolvimento, começando na matemática e terminando na sociologia e moral como ponto de convergência de todas as verdades, de todos os princípios até então adquiridos e foco único de luz capaz de alumiar e esclarecer o destino racional de todas as concepções humanas, o Governo resolveu organizar o ensino nas escolas do Exército pelo regulamento que baixou com o respectivo decreto e onde são atendidos todos os meios para levantar o nível moral e intelectual do Exército, pondo o soldado brasileiro a par dos grandes aperfeiçoamentos de guerra em suas múltiplas ramificações, sem desviá-lo dos seus deveres como cidadão no seis do lar e no seio da Pátria. A instrução teórica e prática era dada aos oficiais e praças se pret nos seguintes estabelecimentos: 1- escolas regimentais, escolas militares, Escola Superior de Guerra e 4 – Escolas práticas: do Exército na capital federal e de infantaria e cavalaria no Estado do Rio Grande do Sul. Para a instrução e educação militar de menores havia: 1 – colégio militar. 2 – Escola de sargentos na Capital Federal, 3 – Escolas de ofícios. A Escola Regimental destinava-se a ministrar ensino primário suficiente aas praças de pret. O regulamento traz todas as matérias para os diferentes cursos e é longo e pormenorizado nos seus 310 artigos.

 

Regulamento da Diretoria Geral de Estatística

O Decreto n° 331, de 12 de abril de 1890, na pasta do Interior, deu novo regulamento à Diretoria Geral de Estatística. A repartição tinha como fim: 1 - executar diretamente e aproveitar, coordenar e analisar todos os trabalhos estatísticos que se relacionassem com o estado físico, demográfico, econômico, comercial, industrial, político, administrativo, moral  intelectual da República dos Estados Unidos do Brasil; 2 – formular planos e dados necessários à exata apreciação de qualquer ordem de fatos ocorridos no país e suscetíveis de redução a fórmulas numéricas; 3 – prestar as informações estatísticas de que carecesse a administração pública;4 – dirigir os trabalhos do recenseamento geral da população, segundo o programa e os mapas que houvesse organizados, dando-lhes publicidade; 5 – classificar os dados estatísticos e censitários que recolhesse. Agrupando-os cientificamente, estabelecendo proporções aritméticas e geométricas a que eles se prestassem, expô-los por diagrama ou por outro método gráfico, bem como procurar sua relatividade com os das estatísticas das nações da América e dos demais países, de acordo, sempre que conviesse, com as bases e instruções votadas pelos congressos internacionais de estatística; 6 – publicar anualmente o relatório dos trabalhos executados e logo que fosse possível, o resultado parcial destes; 7 – propagar, pelos meios a seu alcance, o conhecimento da necessidade e das vantagens da estatística, promovendo o concurso da iniciativa individual para a prestação dos dados e das informações convenientes. A repartição era constituída de quatro seções: a primeira seção tratava da parte burocrática; a segunda burocracia; a segunda seção se incumbiria do estudo estatístico das seguintes matérias: indústria (extrativa, agrícola e pastoril, manufatureira e comercial), justiça e polícia, caixas econômicas e montes de socorro, associações e estabelecimentos de beneficência e previdência, finanças públicas (receitas, despesas, impostos, empréstimos), território (divisão política, administrativa e judiciária); a terceira seção cuidaria de viação e transporte (caminhos de ferro, navegação, estradas), instrução pública e particular, obras públicas, correios e telégrafos. Força pública (Exército e Armada). Estudos e melhoramentos preventivos e de saneamento bem como de estatísticas diversas e a quarta seção tinha a seu cargo: demografia, compreendendo: a) estado da população, b) densidade da população, c) condições da população (naturalidade, nacionalidade, idade, sexo, raça ou cor, defeitos físicos, filiação, estado civil, nacionalidade paterna e materna, residência, analfabetismo, culto, profissão, renda e fogos), d) movimento da população (nascimentos, casamentos, óbitos, imigração e emigração), e) colonização e catequese, além de tábuas de sobrevivência e de mortalidade. Para executar essas múltiplas tarefas, a repartição era composta de um diretor, três chefes de seções, seis primeiros oficiais, seis segundos oficiais, dez amanuenses, cinco praticantes, um porteiro e dois contínuos, totalizando 34 servidores.  

 

Aprovação de estudos definitivos para a construção de estrada de ferro

O Decreto n° 332, de 12 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, aprovou os estudos definitivos ao tempo em que prorrogou até 31 de dezembro de 1891 os prazos estabelecidos no Decreto n° 101159, de cinco de janeiro de 1889 para incorporação da companhia que deveria construir a Estrada Ferro de Taubaté a Ubatuba no Estado de S. Paulo.

 

Revogação do Decreto n° 10185, de nove de fevereiro de 1889

O Decreto n° 333. De 12 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, atendendo ao que representou a The D. Pedro I Railway Company e levando em consideração vários aspectos, revogou o Decreto n° 10185, de nove de fevereiro de 1889, e determinou que fosse rescindido o contrato celebrado de conformidade com a Lei n° 8842, de 13 de janeiro de 1883, mediante pagamento à companhia de justa indenização, cujo valor seria fixado por árbitros nomeados pelas partes contratantes ou designados pela sorte dentre os nomes por elas indicados na falta de acordo entre os primeiros.

 

Prorrogação de prazo fixado para exploração de ouro e outros minerais

O Decreto n° 334. De 12 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, atendendo ao que requereu Charles H. Ward, resolveu prorrogar por dois anos o prazo que lhe foi fixado para explorar ouro e outros minerais nos municípios de Poconé, Nossa Senhora do Livramento e no da capital do Estado de Mato Grosso, mediante cláusulas baixadas com o Decreto n°  10281, de 30 de julho de 1889.

 

Criação de um cargo de juiz de direito na capital do Estado do Pará

O Decreto n° 335, de 12 de abril de 1890, na pasta da Justiça, criou mais um cargo de juiz de direito do crime e cível na capital do Estado do Pará. De conformidade com o Decreto n° 4824 de 22 de novembro de 1871.

 

Criação de duas seções de expediente no Comando das Armas do Rio Grande do Sul

O Decreto n° 336, de 12 de abril de 1890, na pasta da Guerra, disse que, além da secretaria do Comando das Armas do Rio Grande do Sul, ficavam criadas duas seções de expediente, sendo que uma teria a seu cargo o serviço de pessoal e a outra o do material do Exército naquele Estado. Em cada uma das seções haveria um chefe, oficial superior ou capitão do corpo especial, dois escriturários, oficiais também de corpo especiais ou reformados do Exército e um na secretaria. O secretário e os chefes de seção perceberiam vencimentos de comissão ativa de engenheiros e os escriturários os de estado-maior de 1ª classe.

 

Alteração dos quadros dos Corpos de Saúde, Fazenda e Maquinistas da Armada

Pelo Decreto n° 336-A, de 16 de abril de 1890, na pasta da Marinha, o Governo Provisório, considerando a necessidade de reorganizar os quadros dos Corpos de Saúde, Fazenda e Maquinistas da Armada, estabelecendo ao mesmo tempo regras pelas quais os oficiais desses três corpos devessem ser reformados voluntária ou compulsoriamente, resolveu baixar o regulamento nesse sentido que traz as condições para reforma e os novos quadros dos efetivos de cada corpo antes citados.

 

Concessão de permissão ao visconde de Cruz Alta para incorporar o banco emissor na região Rio Grande do Sul e Mato Grosso

O Decreto n° 336-B, de 16 de abril de 1890, na pasta da Fazenda, autorizou o titular em epígrafe a incorporar o banco emissão para a região do Rio Grande do Sul e ao mesmo tempo aprovou, com alterações, os estatutos anexos ao referido ato.

 

Concessão de subvenção a uma empresa de vapores frigoríficos

O Decreto n° 337, de 17 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, atendendo ao que requereram o 1° tenente Ernesto do Prado Seixas, Dr. Felipe Pereira Caldas, Luiz Fraeb e João de Deus Freitas, cessionários do privilégio concedido a Colatino Marques de Souza, para uso e gozo do parelho frigorífico a que se referem os Decretos n° 6390, de 30 de novembro de 1876 n° 6913, de30 de novembro de 1878 e n° 10080, de 17 de novembro de 1888, resolveu conceder autorização para organizarem uma companhia de linha de vapores, destinada ao transporte de carnes verdes entre os portos da República, de acordo com as cláusulas que com este foram baixadas e assinadas pelo ministro Francisco Glicério. Os cessionários ficavam obrigados a fazer o transporte de carnes congeladas, de vaca ou de carneiro, entre os portos produtores e os portos consumidores da República, estabelecendo naqueles matadouros com câmara de congelamento e depósitos refrigeradores na Capital Federal e nas cidades de S. Salvador, Recife, S. Luiz, Belém e Manaus. Haveria para esse serviço oito vapores, nacionalizados brasileiros, ficando isenta a sua aquisição de qualquer imposto por transferência de propriedade ou matrícula. Também gozariam as regalias e privilégios de paquetes, porém sujeitos aos regulamentos policiais e de alfândega. Os cessionários obrigavam-se a conduzir gratuitamente as malas do Correio e a fazê-las transportar de terra para bordo ou a entregá-las aos agentes do Correio. Os dinheiros públicos também eram transportados gratuitamente, observadas as instruções e ordens do Tesouro Nacional. Os vapores poderiam transportar carga e passageiros por conta do Estado Federal, mediante preços que o Governo pagasse às demais companhias subvencionadas. O Governo Federal auxiliaria os concessionários com a subvenção de 150 contos de réis pagas pelo Tesouro Nacional em prestações mensais de 12 contos e 500 mil réis, à vista da ordem do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas. A subvenção só começaria a ser paga quando a empresa estivesse em efetivo serviço, tanto nos trabalhos de congelamento das carnes como nos do respectivo trabalho. A empresa daria em garantia do adiantamento todas as coisas suscetíveis de hipoteca e penhor. Havia mais outras disposições a serem cumpridas pela empresa.

 

Concessão a Antônio Francisco de Azeredo e Guilherme José da Costa Viana de mais 50 datas de mineração no Estado de Mato Grosso

O Decreto n° 338, de 17 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, concedeu aos epigrafados mais 50 datas para lavrarem ouro e outros minerais no Estado de Mato Grosso, em seguimento as 10 datas concedidas pelo Decreto n° 10401, de 12 de outubro de 1889 e conforme cláusulas anexas ao presente ato.

 

Concessão a Augusto de Almeida Torres para explorar ferro e outros minerais

O Decreto n° 339, de 19 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, concedeu autorização ao epigrafado para explorar ferro e outros minerais no município de Mangaratiba, Estado do Rio de janeiro, conforme cláusulas anexas assinadas pelo ministro Francisco Glicério.

 

Derrogação do Decreto n° 10084, de 24 de novembro de 1888

O Decreto n° 340, de 19 de abril de 1890, na pasta da Justiça, teve como objetivo derrogar o decreto em epígrafe na parte que declarou especial a comarca de Valença, Estado do Rio de Janeiro.

 

Criação de cargo de juiz municipal e de órfãos

O Decreto n° 341, de 19 de abril de 1890, na pasta da Justiça, teve por objetivo criar no termo de Santa Tereza o cargo de juiz municipal e de órfãos.

 

Elevação da força do Regimento Policial da Capital Federal para 2001 homens

O Decreto n° 342, de 19 de abril de 1890, na pasta da Justiça, elevou para 2001 praças, incluído os oficiais, o Regimento Policial da Capital Federal. O aumento de 296 praças foi distribuído igualmente pelos batalhões de infantaria do referido regimento.

 

Declaração de entrância de comarca

O Decreto n° 343, de 19 de abril de 1890, na pasta da Justiça, teve por finalidade declarar de segunda entrância a comarca de Benevente, criada no Estado Espírito Santo por ato de 17 de abril de 1890.

 

Criação do cargo de juiz municipal e de órfãos

O Decreto n° 344, de 19 de abril de 1890, na pasta da Justiça, teve por finalidade criar o cargo de juiz municipal e de órfãos no termo de S. Manoel no Estado de S. Paulo.

 

Criação da Secretaria de Estado dos Negócios da Instrução Pública, Correios e Telégrafos

Pelo Decreto n° 346, de 19 de abril de 1890, o chefe do Governo Provisório, atendendo exposição de motivos do ministro do Interior, descrevendo as diferentes atribuições do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas e do Ministério do Interior, resolveu criar a pasta em epígrafe, sendo que o respectivo titular tinha as mesmas honras, isenções e vencimentos dos outros ministros. Para a nova pasta, foram transferidos da Secretaria do Interior os serviços relativos à instrução pública, aos estabelecimentos de educação e de ensino especial ou profissional, aos institutos, academias e sociedades que se dedicassem às ciências, letras e artes e da Secretaria de Agricultura, Comércio e Obras Públicas foram transferidos para a nova pasta: os serviços dos correios e telégrafos.

 

Concessão de permissão ao cônego Francisco de Paula Vítor para explorar minas de ouro e outros minerais

O Decreto n° 347, de 19 de abril de 1890, a pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, concedeu permissão ao epigrafado para explorar minas de ouro e outros minerais nos municípios de Três Pontas e Dores da Boa Esperança no Estado de Minas Gerais mediantes cláusulas com a assinatura do ministro Francisco Glicério.

 

Extinção da Repartição Fiscal do Ministério da Guerra e da Pagadoria das Tropas da Capital Federal, criando em substituição a Contadoria Geral da Guerra

O Decreto n° 348, de 19 de abril de 1890, na pasta da Guerra, criou a Contadoria Geral da Guerra em substituição aos órgãos extintos. O regulamento da nova repartição veio assinado pelo brigadeiro Benjamin Constant Botelho de Magalhães, titular da Guerra. A Contadoria Geral da Guerra teria a seu cargo o exame, processo, fiscalização e pagamento da despesa realizada em todo o Brasil, pertencente ao Ministério da
Guerra e tinha o seguinte quadro funcional: um diretor, três chefes de seção, seis primeiros oficiais, sendo um escrivão do pagador, um protocolista e um arquivista, 15 segundos oficiais, oito terceiros, 12 praticantes, um pagador, dois fiéis, um porteiro, três contínuos e três serventes. A Contadoria era diretamente subordinada ao ministro, de quem receberia as ordens. O regulamento tinha ao todo 62 artigos.

 

Elevação de vencimento anual de lente da Escola de Minas

O Decreto n° 349, de 19 de abril de 1890, na pasta do Interior, elevou para quatro contos e 800 mil réis anuais do lente da 4ª cadeira do 3° ano do curso superior da Escola de Minas, fixado pelo regulamento n° 9448, de 27 de junho de 1885

 

Alteração das denominações dos postos de oficiais-generais do Exército

O Decreto n° 350, de 19 de abril de 1890, na pasta da Guerra, considerando que as denominações de postos dos oficiais-generais não correspondiam à função militar que tinham de desempenhar, reduziu o quadro do Corpo do Estado Maior a quatro marechais, oito generais de divisão e 16 generais de brigada e equiparou para todos os efeitos os marechais aos almirantes, os generais de divisão aos vice-almirantes e os generais de brigada aos contra-almirantes. Os tenentes-generais passaram a ser considerados marechais, os marechais de campo generais de divisão e os brigadeiros generais de brigada.

 

Aprovação com modificações dos estatutos do Bando União de S. Paulo

O Decreto n° 351, de 19 de abril de 1890, na pasta da Fazenda, aprovou com modificações os estatutos do banco em epígrafe com capital de 24 mil contos de réis.

 

Declaração de caducidade das concessões feitas a Justo Monteiro de Queiroz

O Decreto n° 352, de 24 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, declarou a caducidade das concessões feitas ao epigrafado pelos Decretos n° 10050 e nº 10051, de 28 e setembro de 1888 para exploração de ouro e outros minerais nos municípios de Campanha e de S. Gonçalo do Sapucaí, Estado de Minas Gerais, cujos prazos já haviam sido prorrogados pelos Decretos nº 10402 e n° 10403, de 12 de outubro de 1889.

 

Permissão para explorar ouro e outros minerais

O Decreto n° 353, de 24 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, concedeu permissão a Justo Monteiro de Queiroz para explorar ouro e outros minerais no município da Campanha, Estado de Minas Gerais, mediante cláusulas anexas assinadas pelo ministro Francisco Glicério. O Decreto n° 354, de 24 de abril de 1890, também na pasta da Agricultura, concedeu ao mesmo Justo Monteiro de Queiroz permissão para explorar ouro e outros minerais no município de S. Gonçalo do Sapucaí, Estado de Minas Gerais mediante cláusulas anexas assinadas pelo ministro Francisco Glicério.

 

Autorização para elevação do capital da carteira hipotecária Banco de Crédito Real do Brasil

O Decreto n° 355, de 25 de abril de 1890, na Pasta da Fazenda, concedeu autorização ao Banco de Crédito Real do Brasil para elevar o capital de sua carteira hipotecária para a soma de seis mil e 200 contos de réis.

 

Alteração de disposições da Consolidação das Leis das Alfândegas e Mesas de Rendas

O Decreto n° 355-A, de 25 de abril de 1890, na pasta da Fazenda, alterou diversas disposições da Consolidação em epígrafe. As principais alterações foram: as 3ªs seções das alfândegas de 1ª ordem ficaram extintas, sendo que os serviços passaram a ser desempenhados pelas respectivas 2ªs seções e os dois cargos de chefes de seção nas alfândegas de 2ª ordem foram substituídos pelo de um ajudante. Além da Alfândega especial do Rio de Janeiro, havia alfândegas de 1ª°, 2ª. 3ª e 4ª ordens. Havia também disposições sobre admissão de funcionários da guardamoria da alfândega do Rio de Janeiro e sobre processo de recursos.

 

Prorrogação de prazo para apresentação de estudos definitivos da Estrada de Ferro do Ceará-Mirim no Estado do Rio Grande do Norte

O Decreto n° 356, de 26 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, prorrogou até sete de maio de 1890 o prazo para a apresentação dos estudos da estrada de ferro em epígrafe.

 

Prorrogação de prazo concedido pelo Decreto n° 10183, de nove de fevereiro de 1889

O Decreto n° 357, de 26 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, atendendo ao que requereram os concessionários, prorrogou por um ano o prazo concedido pelo decreto em epígrafe para os favores da Lei n° 3396, de 24 de novembro de 1888, a fim de desenvolverem em grande escala a produção e fabricação de seda.

 

Autorização para a municipalidade de Araras, Estado de S. Paulo, aceitar a doação feita pelos seus fundadores dos terrenos onde se acha edificada e prolongada a cidade

O Decreto n° 358, de 26 de abril de 1890, na pasta da Justiça, autorizou a Intendência Municipal de Araras, Estado de S. Paulo, a aceitar, independente de insinuação e mediante condições e encargos pios especificados, a doação feita pelos barões de Araras e de Arari do terreno que se acha edificada e prolongada a dita cidade, mediante condições e encargos seguintes: a) todo o terreno seria inscrito como próprio municipal de pleno domínio da cidade; b) a parte do terreno que não fosse destinada a uso ou logradouro público seria afora ela intendência municipal; c) seriam isentos de foro os terrenos onde a matriz e da casa da misericórdia se achavam construídas enquanto durassem as instituições e bem assim os ocupados pelos edifícios construídos pelos doadores e seus descendentes para sua residência enquanto os mesmos edifícios lhes pertencessem e fossem por qualquer deles habitados; d) os foros percebidos, depois de deduzidas as despesas de arrecadação a cargo da municipalidade, seriam divididos em três partes iguais entra a municipalidade, a fábrica da matriz e  a casa da misericórdia.

 

Revogação das leis que exigiam a tentativa da conciliação preliminar ou posterior como formalidade essencial nas causas cíveis e comerciais

O Decreto n° 359, de 26 de abril de 1890, na pasta da Justiça, o Governo Provisório, considerando que a instituição do juízo obrigatório de conciliação importava numa tutela do Estado sobre direitos e interesses privados de pessoas que se achavam livres na administração dos seus bens, resolveu abolir a conciliação como formalidade preliminar ou essencial ara serem intentadas as ações cíveis e comerciais.

 

Estabelecimento do processo executivo para a cobrança dos impostos e das multas devidas à Fazenda Nacional, aos Estados e às municipalidades

O Decreto n° 360, de 26 de abril de 1890, na pasta da Fazenda, estabeleceu que o processo executivo fosse competente para a cobrança dos impostos e  as multas aplicadas em virtude de lei por qualquer autoridade, e devidos à Fazenda Nacional, à fazenda dos Estados e às municipalidade.

 

Elevação ao dobro da percentagem fixada ao fiscal das loterias da Capital Federal e seu ajudante

O decreto n° 361, de 26 de abril de 1890, na pasta da Fazenda, resolveu elevar ao dobro a percentagem de um por mil fixada pelo Decreto n° 277-B, de 22 de março de 1890, e a de meio por mil a de seu ajudante. 

 

Concessão de permissão para exploração de esmeril e outros minerais

O Decreto n° 362, de 26 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, atendendo ao que requereram João Caetano de Oliveira e Souza e Artur Prado de Queiroz Teles, resolveu conceder-lhes permissão para explorar esmeril e outros minerais no município de S. Roque, Estado de S. Paulo, mediante cláusulas anexas assinadas pelo ministro Francisco Glicério.

 

Reunião da Biblioteca da Marinha ao Museu Naval

O Decreto n° 363, de 26 de abril de 1890, na pasta da Marinha, atendendo a conveniência de melhorar a organização da Biblioteca da Marinha e do Museu Naval, resolveu baixar o respectivo regulamento da Biblioteca e Museu da Marinha, assinado pelo ministro, contra-almirante Eduardo Wandenkolk.

 

Aprovação do regulamento para a Inspeção Geral de Obras Públicas da Capital Federal

O Decreto n° 364, de 26 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, aprovou o regulamento em epígrafe anexo ao presente ato. A repartição tinha a seu cargo o serviço de distribuição e abastecimento de água da Capital Federal, prolongamento das canalizações e construção das que se tornassem necessárias para garantir o suprimento em todas as épocas do ano, conservação dos mananciais e florestas, próprios nacionais, estradas e caminhos, esgotos de águas pluviais e, em geral, tudo quanto dissesse respeito ao referido abastecimento. A execução e fiscalização de qualquer obra pública na Capital Federal ficavam a carga da repartição e todos os serviços subordinados a um inspetor geral.

 

Concessão de garantia de juros de 65 ao ano, durante 30 anos, à Estrada de Ferro de Itu a Iguape no Estado de S. Paulo

O Decreto n° 365, de 26 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, concedeu garantia de juros ao concessionário da estrada de ferro em epígrafe sobre o capital que fosse efetivamente empregado na construção até o máximo de 30 contos por quilômetro nos termos das cláusulas anexas assinada pelo ministro Francisco Glicério.

 

Nova distribuição dos serviços a cargo da Secretaria do Interior

O Decreto n° 366, de 26 de abril de 1890, na pasta do Interior, deu nova distribuição dos serviços a cargo da Secretária do Interior, em decorrência da criação da Secretaria de Estado da Instrução Pública, Correios e Telégrafos pelo Decreto n° 346, de 19 de abril de 1890.

 

Permissão para explorar ouro e outros minerais em Jacobina, Estado da Bahia

O Decreto n° 367, de 30 de abril de 1890, na pasta da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, concedeu a Companhia Minas da Jacobina  permissão em epígrafe mediante cláusulas anexas e assinadas pelo ministro Francisco Glicério.

 

Aprovação, com alterações, dos estatutos do Banco Sul-Americano de Pernambuco

O Decreto n° 367-A de 30 de abril de 1890, na pasta da Fazenda, aprovou com alterações os estatutos do banco em epígrafe.

 

...

 

(continua)

 

 

 

 

 

Pau Amarelo PE 15 de julho de 2009

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 246 - 16/07/2017 - História de São Bento do Una, Pernambuco, Brazil
Coluna 245 - 10/05/2017 - Pleito de gratidão a Dirceu e Ludgero
Coluna 244 - 14/04/2017 - Historia Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injustiça imperdoável
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una