Nublado a parcialmente nublado

Máxima: 28 ºC
Mínima: 14 ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 64: Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Publicada dia 13 de Janeiro de 2007

Apolônio Sales, um estadista de grande valor

O Nordeste, em peso, muito deve à figura ímpar de estadista de primeira linha que foi o pernambucano, de Altinho, Apolônio Jorge de Farias Sales. Antes dele, nossa região não possuía nenhum sistema confiável de fornecimento de energia elétrica devido à multiplicidade de motores e geradores elétricos de acanhada potência. As cidades mais adiantadas possuíam motores primitivos que mal davam para suprir as suas necessidades. Os geradores não trabalhavam continuadamente vinte e quatro horas por dia, uma vez que só eram ligados no final da tarde e desligados meia-noite em ponto. Para se escutar rádio de dia, por exemplo, o jogo do Vasco contra o Botafogo, num domingo, ou a novela cubana “Direito de nascer”, durante a semana, na década de 1950, os poucos e privilegiados proprietários, desse verdadeiro sonho de consumo da época, carregavam as baterias através de um aparelho chamado “tunga” (era assim que o autor destas linhas escutava do dono do rádio).

Nas festas de fim e de começo de ano, os motores trabalhavam um pouco mais, funcionando até que os primeiros raios, da manhã, iluminassem o Nordeste. Também, poucas eram as localidades que poderiam se dar ao luxo de possuir um motor, usado, ou seja, mesmo caindo aos pedaços. São Bento do Una, uma cidadezinha do agreste de Pernambuco, tinha um velho motor cuja enorme correia de transmissão, folgada, feria os nossos tímpanos com aquele intermitente barulho da correia contra a já bem gasta polia.

Depois, a cidade adquiriu um motor da marca “Caterpillar”, de cor amarela, moderninho, que era capaz de derrubar uma pessoa magra e fraca, com a ventania que do radiador desprendia. Mesmo assim, o problema energético da cidade não foi resolvido. Ficávamos com as ruas às escuras por longo tempo, sem que nenhuma autoridade pudesse resolver o problema. As casas da periferia usavam o velho candeeiro a querosene “Jacaré” que deixava as narinas plenas da incômoda fuligem. Quando uma peça se quebrava e não mais se tinha peça de reposição, o negócio era apelar para o ferreiro e para o mecânico de caminhão, aquele homem de macacão impregnado de óleo e de graxa, apelidado de “dorme sujo”, que a fabricava em oficina de fundo de quintal.

Partiu-se, então, para uma solução talvez desastrada: a compra de um motor maior, de segunda mão, que já não mais atendia às necessidades da progressiva Pesqueira. O motor foi instalado longe da praça principal, naquela rua da antiga sede da Banda de Santa Cecília, mas foi um fiasco total, pois era, antes de tudo, um amontoado de ferro velho, e São Bento do Una permaneceu triste e às escuras até que a bendita “luz” de Paulo Afonso chegou para resolver definitivamente o problema de iluminação de todo o Nordeste. Antes da energia de Paulo Afonso, ficávamos meses sem poder namorar à noite na praça, pois que as meninas não podiam sair, proibidas que eram pelo cuidadoso papai.

Na minha meninice, em São Bento, minha cidade natal, incontáveis vezes ficamos sem energia elétrica porque os velhos e obsoletos motores não mais davam conta do recado, não obstante o zelo de João Virães e seu fiel escudeiro, Margareto. O fato interessante é que nunca vi protesto algum contra esta situação até certo ponto calamitosa. A bem da verdade, os hoje chamados “apagões” nunca foram objeto de protesto, de passeata diante da prefeitura ou da casa do proprietário do motor. Nem mesmo ensejou telegramas irados ao governador do estado, pedindo uma urgente solução para as trevas são-bentenses. A energia fornecida por estas obsoletas máquinas era tão fraca, tão fraca, que as pessoas costumavam enfiar uma faca de cabo de metal entre o bocal e a lâmpada para tomar ridículos choques, os quais eram recomendados como excelentes para a cura de pessoas nervosos e de tênues doidices. O motor só atendia as residências de algumas ruas, sendo que a iluminação pública se resumia aos principais logradouros da cidade que era a primeira a ser sacrificada à medida que o motor, cansado, menos energia produzia.

Inspirado, por certo, no empreendimento de Delmiro Gouveia que aproveitou o potencial energético da cachoeira de Paulo Afonso e supriu de energia a Fábrica de Linhas de Pedra (1913), Apolônio Sales, já ministro da Agricultura, lançou uma campanha em prol da exploração do potencial energético da cachoeira, com um projeto prevendo a construção de uma usina-piloto de cinco megawatts para auxiliar a construção de uma usina capaz de resolver, em definitivo, o problema energético do Nordeste. Esta decisão do ministro não foi bem recebida e houve pressão por parte das correntes políticas e empresariais dominantes no sentido de que os novos empreendimentos de geração de energia elétrica fossem realizados no Sudeste, especialmente em São Paulo, onde a demanda era maior e, vez por outra, vinha ocorrendo racionamento.

No entanto, Apolônio resistiu estoicamente às pressões e viajou aos Estados Unidos em busca de informações sobre a organização da Tennessee Valley Authority (TVA), primeiro órgão do governo norte-americano de desenvolvimento regional e que inspirou a criação da nossa antiga Sudene. Voltou revigorado e cada vez mais convencido de que era necessário elaborar um anteprojeto de criação de uma companhia para a exploração energética do Nordeste, pois sabia que sem energia com qualidade e fartura nenhum investimento fabril viria estabelecer-se na região. Onze anos depois, isto é, em dezembro de 1954, se dá a inauguração da primeira usina de Paulo Afonso com suas linhas de transmissão servindo, inicialmente, às cidades do Recife e de Salvador. Tal acontecimento deu um novo alento e esperança e com a criação, depois, da Sudene (1959), o Nordeste experimentou certo progresso, com instalações de fábricas atraídas pelos incentivos fiscais dos governos federal e estaduais.

Os argumentos apresentados pelo eminente ministro Apolônio Salles convenceram de pronto o presidente Getúlio Vargas. E para a consecução de tão notável empreendimento foi baixado o Decreto-lei 8.031, de três de outubro de 1945, autorizando a criação da Companhia Hidro-Elétrica do São Francisco (CHESF), no âmbito do Ministério da Agricultura. Nesse diploma legal, foi aberto um crédito especial de duzentos milhões de cruzeiros para a subscrição de ações e se concedeu à novel companhia licença pelo prazo de cinqüenta anos para efetuar o progressivo aproveitamento da energia hidráulica entre Juazeiro, na Bahia e Piranhas, em Alagoas. Por esta atitude de homem de visão e de coragem em enfrentar poderosos grupos empresarias e políticos que se opunham ao projeto, Apolônio deve ser reverenciado como grande benfeitor. Hoje, a CHESF é um orgulho nordestino que supre de energia não só o Nordeste, com exceção do Maranhão, como também outras regiões através do sistema integrado nacional de transmissão de energia elétrica.

Nosso inesquecível Luís Gonzaga foi muito feliz ao gravar aquela melodia de versos maravilhosos que diz em relação à inauguração da primeira Usina de Paulo Afonso: “Delmiro deu a idéia, / Apolônio aproveitou, / Getúlio fez o decreto, / Dutra realizou. / O presidente Café agora inaugurou. / (...) Olhando pra Paulo Afonso, / Eu louvo nosso engenheiro, / Louvo o nosso cassaco, / Caboclo bom nordestino”, / e por aí vai a toada imortalizando os feitos de “homens de grande valor”. Os versos do cancioneiro eternizam o feito de Apolônio e de todos aqueles, engenheiros, técnicos e operários, que fizeram este necessário e proveitoso empreendimento, hoje muitas vezes ampliado.

No seu tempo, Apolônio foi considerado o “homem público mais feio do Brasil”. Em contraposição a este fato, no final do Império e início da República, Pernambuco tinha o homem mais bonito do Brasil: Joaquim Nabuco, político, diplomata e escritor de inegáveis méritos. Porém, o que Apolônio tinha de pouco, em termos de Narciso, sobrava em talento político e de provedor do bem comum. E Pernambuco soube reconhecer o valor deste estadista e homem de visão, concedendo-lhe os votos necessários para que, durante doze anos (1947-1951 e 1951-1959) representasse o Estado de Pernambuco no Senado Federal, casa legislativa em que se destacou a ponto de exercer a liderança da maioria, a vice-presidência e, por fim, a presidência.

Apolônio nasceu em 24 de agosto de 1902 e faleceu no Rio de Janeiro em 10 de dezembro de 1982. Fez o curso primário na escola municipal de Altinho e o secundário, em Olinda, no tradicional Colégio de São Bento. Graduou-se em agronomia pela Escola Superior de Agricultura de São Bento, em 1923, mantida pelos monges beneditinos, em São Lourenço da Mata, onde exerceu o magistério, como catedrático de Agricultura e Genética. Como engenheiro agrônomo de Pernambuco, desempenhou funções de relevo no serviço estadual de cana-de-açúcar, no qual teve a oportunidade de implantar modernas técnicas de irrigação na Usina de Catende.

Sua brilhante e exemplar carreira de servidor público, fez Apolônio ser nomeado secretário de Agricultura de Pernambuco (1937-1942), ocasião em que criou postos e fazendas experimentais de criação de animais em vários municípios, usinas de recebimento, resfriamento e distribuição de leite, serviços de avicultura e de piscicultura. Criou o Parque de Exposição de Animais, no Cordeiro, Recife. Seu eficiente e proveitoso trabalho à frente da Secretaria de Agricultura o credenciou a vôos mais altos.

Por duas vezes, exerceu, com proficiência, o prestigioso cargo de ministro da Agricultura (1942-1945 e em 1954). Como titular dessa pasta, ele assinou vários acordos internacionais para a melhoria da produção da borracha. Criou a Superintendência do Vale Amazônico; o Banco de Crédito da Borracha da Amazônia (hoje, Banco da Amazônia – Basa); o Banco Nacional de Crédito Cooperativo (BNCC), hoje extinto e que tinha como objetivo financiar as cooperativas dos produtores; reorganizou o Serviço de Meteorologia e o Centro Nacional de Ensino e Pesquisas Agronômicas, com a criação da Universidade Rural do Brasil; elaborou o Plano de Mecanização da Lavoura e criou o Núcleo Colonial Agro-Industrial do São Francisco, na cidade pernambucana de Petrolândia. No entanto, a sua grande obra foi ter criado a Companhia Hidro-Eletrica do São Francisco (CHESF) e a construção da primeira usina de Paulo Afonso, que foi um passo gigantesco na redenção do Nordeste que passou a dispor de energia elétrica de qualidade, inicialmente iluminando Recife e Salvador e depois as demais capitais com exceção de São Luís.

Hoje, em Pernambuco, graças à ação de diversos governos, a eletrificação rural é uma realidade, com mais de 95% das propriedades rurais com seus bicos de luz e tomadas, trazendo conforto para quem trabalha de sol a sol, tirando da terra o sustento ou desenvolvendo o criatório. É certo que, para que tudo se concretizasse, levamos cerca de meio século para quase universalizar o uso da eletricidade, o que é um grande feito para um estado de grandes carências.

Por tudo que fez pelo Brasil, pelo Nordeste e, sobretudo, por Pernambuco, Apolônio Jorge de Farias Sales merece um pleito de gratidão e reconhecimento como um verdadeiro estadista, aquele que sempre esteve mais preocupado com as próximas gerações do que com o imediatismo das eleições seguintes. Um estadista é uma pessoa visionária, um idealista e acima de tudo um obstinado. Apolônio Salles, o homem mais feio da política brasileira do seu tempo, semeou conhecimentos como mestre de várias gerações, como profissional da engenharia agrícola deu os primeiros passos para a melhoria da produtividade quando inundou o País de tratores, arados e outros implementos agrícolas que eram emprestados aos agricultores que não tinham como adquirir tais preciosidades.

Distribuiu a título gratuito, pelo país inteiro, quando ministro da Agricultura, enxadas, foices e outros utensílios agrícolas entre os agricultores de poucos recursos. As fazendas experimentais que implantou em vários municípios pernambucanos, quando titular da Agricultura, serviram para a criação de touros de raça que eram emprestados aos fazendeiros com o objetivo de melhorar o rebanho. Essas fazendas, também, distribuíam as sementes assim que o “inverno” começasse e dispunham de técnicos agrícolas que ensinavam a gente simples do interior as modernas técnicas visando a melhorar a produção agrícola e pecuária.

Por tudo que fez, repetimos, o doutor Apolônio Sales merece as nossas homenagens e a nossa eterna gratidão, com a lembrança do seu nome em escolas, estabelecimentos agro-pecuários, cooperativas, estradas, ruas, praças e avenidas de toda cidade pernambucana que ainda não o homenageou, para a maior glória de um homem simples que viveu e se preocupou com o progresso e desenvolvimento não só do Nordeste, como de todo o Brasil.




E-mail:

orlandocalado@yahoo.com.br




Pau Amarelo PE 13 de janeiro de 2007

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 246 - 16/07/2017 - Cronologia de São Bento do Una,1ª Edição
Coluna 245 - 10/05/2017 - Pleito de gratidão a Dirceu e Ludgero
Coluna 244 - 14/04/2017 - Historia Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injustiça imperdoável
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una