Máxima: ºC
Mínima: ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 149: São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Publicada dia 13 de Setembro de 2008

São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)

A FREGUESIA DE SÃO BENTO (continuação)


Em razão da decisão da Câmara Municipal determinando que, de dia, o beco, objeto de controvérsia, ficasse aberto para permitir o livre acesso dos fregueses à sua igreja, o vigário João José do Espírito Santo não desistiu do seu intento de privatizar, por instrumento legal, a citada servidão que, como já vimos, ficava entre o oitão direito da igreja-matriz e o oitão esquerdo da casa de residência paroquial. Assim é que, em 1° de março de 1882, o sacerdote entrou com uma petição, junto ao juiz-provedor de Capelas, com vistas a "legitimar a posse de sete palmos de terreno que formam o beco" que fora, há mais de ano, objeto de litígio com o poder temporal, neste caso representado pela Câmara Municipal. Requereu que lhe mandasse "passar o título de aforamento, sob o pagamento anual do preço que se costuma presentemente pagar em favor da Matriz", alegando que os sete palmos a ela pertenciam. E justificava, mais adiante, "A pretensão (...) em nada estorva o ingresso dos fiéis no Templo, principalmente porque a casa e a Matriz ficam entre dois largos becos, pelos quais é o trânsito comum e depois disso porque, conservado o beco como há três anos se acha tapado, ficam ainda seis portas de livre e fácil entrada para a Matriz ainda porque não se reproduzirão no beco, principalmente à sombra da noite as obscenidades de outrora quando estava ele devassado, nem também terão nele conveniente guarida homens perigosos  e dormitório de bichos imundos que o traziam no mais asqueroso estado". O requerimento foi, no mesmo dia, despachado pelo juiz de capelas Jesuíno Claro dos Santos e Silva, que determinou a lavratura do termo de aforamento na forma em que foi requerida ao tempo em que determinou a expedição do competente título. Com essa providência, o vigário conseguiu o domínio útil do beco para o patrimônio, recebendo ainda da Câmara Municipal o pagamento anual pela sua utilização. É bem provável que o vigário no requerimento tenha exagerado um pouco ao dizer que ele servia de dormitório para bichos imundos. É de se pensar que esses bichos imundos que traziam o lugar no mais asqueroso estado fossem os porcos criados soltos pelos habitantes da vila. E pensar que naquele longínquo ano de 1882 homens e mulheres de baixa escala social aproveitassem o local para as obscenidades. Seria possível isto?  Numa localidade pequena ter homens perigosos que procurassem abrigo à noite no beco? A vila de S. Bento tinha delegado de polícia e juíz de paz competentes para aplicar penas no tronco aos homens maus e aos infratores da moral pública.


De conformidade com um ofício da Câmara de Vereadores ao presidente da província de Pernambuco, em 1881 ou 1882, isto é, num desses dois anos, foi dito o seguinte em louvor ao trabalho profícuo dos dois primeiros vigários para que a história não olvide seus feitos numa época de grandes dificuldades para se angariar recursos:  "A igreja-matriz desta Vila, de tão pequena e acanhada que era tornou-se vasta e asseada pelos esforços do reverendíssimo vigário Antônio Alves de Carvalho (...) e pode-se dizer que é um dos melhores templos da Província, excetuados os das grandes cidades, pois o atual pároco João José do Espírito Santo continua a zelá-lo, acrescentando a edificação da torre do lado do oeste".


Então, esse crédito da construção da torre se deve ao vigário Espírito Santo. Pena que nenhum outro vigário ou mesmo particular tenha tido a idéia de construir outra torre e com isso tornar mais imponente o belo templo são-bentense. O notável escritor são-bentense, Gilvan Lemos, em primoroso desenho "fotografou" a nossa igreja-matriz quando ela ainda não dispunha da torre, conforme se vê no livro "São Bento do Una: Formação Histórica".


Falemos, agora, do breve e patético relato do padre João José, dirigido à Cúria Diocesana, a propósito da destruidora seca que se abateu sobre a região que hoje conhecemos como Nordeste, porém através do sentimento do pároco são-bentense que voltara à sua freguesia em 1° de maio de 1877 e atravessou os anos de penúria e provavelmente não faltou aos seus semelhantes, principalmente aqueles que não tinham recursos para migrar para a mata ou litoral da Província de Pernambuco: "Dentre as muitas pessoas que da paróquia têm emigrado pelos horrorosos estragos que costuma causar a seca, já emigrou a pessoa de mais influência; as outras e as famílias que até agora não se tem retirado da freguesia, já não poderão fazer facilmente por falta de transporte que daqui só pode ser em costas de cavalos, animais que mais se tem acabado. O prejuízo dos fazendeiros é incalculável. Com mais um mês de esterilidade ficará despovoada a freguesia".


Não há registros de quem foi figurão da vila que deu no pé, fugindo para o litoral. A professora Liliosa Silvina de Oliveira requereu à Câmara Municipal, em 5 de maio de 1877, que atestasse que a sua escola não podia funcionar "em virtude do estado triste desta Vila". A municipalidade atendeu o pedido e ela se retirou a fim de não morrer de sede e fome. Os que ficaram ou tinham algum parco recurso para sobreviverem ou não tinham absolutamente nada, sendo dizimados pelas doenças próprias de um estado de calamidade pública dessa natureza. O vigário reassumiu a sua paróquia justamente quando a seca já era a grande tormenta. Louvemos a sua atitude não abandonando seu combalido rebanho. Louve-se a Câmara de Vereadores que nesses três terríveis anos sempre se reuniu e pedia ao presidente da Província o envio dos "socorros públicos" previstos na Constituição Imperial de 1824. Os vereadores daquela época deram verdadeiras lições de antipopulismo quando criticaram em seus ofícios a política da ajuda governamental aos indigentes sem a respectiva contrapartida. Citaram que nesses tempos de calamidade pública deve-se empregar em obras públicas os flagelados em condições de saúde em construção principalmente de barragens e açudes. Em ofício de 7 de janeiro de 1878, citaram, por exemplo, o caso do missionário capuchinho, Frei Afonso Maria de Bolonha, que à frente de uma força composta de 60 a 90 emigrantes e indigentes, construiu o açude que ficaria conhecido como o Açude do Missionário. E diziam que nele fora despendido pouco mais de dois contos de réis, ao passo que em tempos normais o custo de construção superaria cinco contos de réis. A propósito, nas secas do século XX, pelo menos, muito se utilizou as chamadas "frentes de trabalho" em que os flagelados trabalhavam em troca de ajuda do governo através do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (DNOCS). Ainda sobre os rigores da seca que seria conhecida como a dos três sete (1877, 1878 e 1879), a nossa Câmara oficiou em 10 de setembro de 1877, à Câmara Municipal de São Paulo, dizendo que em virtude da grande calamidade por que passava a vila, não tinha condições de agenciar os donativos, por meio de subscrição popular, para a construção do monumento às margens do riacho Ipiranga, local onde foi proclamada a independência do Brasil.


Nesses difíceis anos que dizimaram nossa gente e nossa rudimentar economia, louvemos os que resistiram estoicamente, mas, também, não condenemos os que foram embora porque tinham recursos suficientes para tanto. Nesse caso, o instinto de sobrevivência prevaleceu e os "praieiros" só voltariam aos seus ag restes pagos quando as chuvas voltaram e a paisagem ficou novamente verde. Louvemos Olavo Correia Crespo, estudante de medicina, que, quando a cólera atacou o sertão anos antes da grande seca, aqui veio exercer a arte de curar, tendo aquim se fixado com ânimo definitivo e constituído família. El e muito ajudou a amenizar as dores dos flagelados atacados por diversos tipos de doenças e disenterias. É um homem cuja memória deve ser exaltada, um benfeitor, além de ter doado à vila o terreno banhado pelo riacho Bela Vista onde foi construído o "Açude do Doutor", hoje completamente destruído e servindo de esgoto a céu aberto..


...


Voltemos ao nosso personagem central, João José do Espírito Santo. Ele era natural de Paudalho, sacerdote secular, isto é, não pertencente a uma ordem religiosa. Ao fazer o seu testamento, sem data, declarou estar em gozo das suas "faculdades intelectuais" e no exercício de suas ordens sacras. Disse que, falecendo em sua freguesia, queria ser sepultado de preferência "no compartimento ou camarinha que fica atrás do altar-mor" ou "atrás da porta  que tem no fundo da Matriz, em sepultura aberta no chão, com oito palmes de profundidade, pagando-se ao coveiro dez mil réis de abrir e fechar a sepultura". No entanto, se seu passamento se desse em outra freguesia não tinha preferência por local, podendo ser sepultado dentro ou fora dos lugares sagrados ou "até mesmo nas selvas". Em qualquer caso, o coveiro receberia a importância de dez mil réis "sob a condição de oito palmos de profundidade a sepultura, sem o que não terá direito ao pagamento estipulado". Fazia um apelo ao seu amável colega padre Lyra, de Altinho, (possivelmente, padre Zacarias de Lyra que no fim de 1901 fundou e dirigiu o primeiro jornal da localidade, denominado "O Contemporâneo", impresso em tipografia própria) para quando soubesse de seu desenlace encomendasse sua alma e dissesse uma missa pelo seu eterno repouso, recebendo pro-labore ou em pagamento o seu último "adeus", pois outra remuneração ele não receberia.  Igual pedido fez ao padre Pedro da Purificação, vigário de Terra Nova (Panelas).


"Não quero mais de um dobre nos sinos da minha Matriz, depois que já estiver no abismo do meu honroso esquecimento somente para aviso que um infeliz e miserável sacerdote foi chamado à tremenda presença do Grande Juiz dos vivos e dos mortos. Oh! Meu Deus!" E acrescentava: "Nada quero de acompanhamento ou pompa, pura vaidade, e apenas quatro ou seis pessoas que me atirem na sepultura e me rezem uma Ave-Maria e sendo possível sejam elas os caridosos amigos Antônio Presciliano Chaves que foi meu sacristão, João Antônio de Albuquerque Barros, da Fazenda Nova, José Domingos Rodrigues dos Santos, Manoel Joaquim de Jesus e seus dois filhos, Antônio Possidônio e Francisco Pantaleão e em falta de algum deles não há escolha". E continuava: "Rogo pelo amor de Deus que ninguém descubra a face para mirá-la, pois ela não é mais que um punhado de terra em que todo o vivente se há de tornar sem exceção de criatura nenhuma".


O padre João José não tinha herdeiros "legítimos, forçados, ou necessários, ascendentes ou descendentes". Instituiu como herdeiro o sobrinho e bom amigo, Miguel da Rocha Vasconcelos, que teria que cumprir fielmente o que lhe havia ordenado, "sob pena de ingratidão". Afirmou no documento de última vontade que tudo que possuía era pouco e não possuía dívidas como sempre foi seu costume. Relacionou seus bens: "a casa que moro junto à minha matriz; o sítio junto ao açude público (Açude Velho) ao pé desta vila de São Bento; o gado conhecido nesta terra pelo "do ferro do peixe" do qual era vaqueiro José Muniz de Oliveira, "a quem foi muito verdadeiro sempre considerei; sendo ele também vaqueiro de várias cabeças de gado pertencente a mais de uma imagem de minha Matriz".


O padre João José do Espírito Santo faleceu em 30 de novembro de 1895 e, diferentemente do que pediu originalmente em testamento, foi sepultado, também a seu pedido, na porta do cemitério de São Bento, "para que todos que lá entrassem lhe passassem em cima". A falta de registro dos fatos e acontecimentos de uma cidade, como uma gazeta, mesmo mensal, nos privou de saber quantas pessoas acompanharam o féretro até sua última morada. Acredita–se que a vila em peso acompanhou seu pastor e a filarmônica, sob a batuta de Liberato Augusto de Siqueira, certamente o homenageou. Isto porque em testamento ele, por excessiva modéstia, pediu que apenas quatro ou seis pessoas, que ele teve o cuidado de nomear, estivessem presentes para conduzir o caixão e jogá-lo na sepultura.


Era, como se deduz, um homem polêmico que também deixou seu rastro na nossa história municipal.


 


...


E-mail: orlandocalado@yahoo.com.br

Fotos: www.orlandocalado.flogbrasil.terra.com.br

Para ouvir a rádio São Bento FM:  www.radiosaobentofm.com.br/radio2.html


 

Pau Amarelo PE 12 de setembro de 2008

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 244 - 14/04/2017 - História Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injusti�a imperdo�vel
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una