Máxima: ºC
Mínima: ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 18: Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Publicada dia 24 de Dezembro de 2005

Reminiscências de um menino de São Bento (2)

Na cidade de minha infância, São Bento do Una, eu tive a sorte de aprender, desde cedo, a admirar os homens e mulheres que faziam a cidade funcionar. Seus exemplos de correção e honestidade ajudaram a forjar o meu caráter, dentro dos princípios da honestidade e da solidariedade, valores que contribuíram decisivamente para que eu, sozinho, numa grande metrópole, sem qualquer tipo de proteção, pudesse vencer na vida. Vencer sem que, para tanto, tivesse pendido para o lado do ganhar fácil. Prevaleceram em mim os valores passados por meu pai, Luiz Cadete de Almeida Calado, lições de honestidade e de perseverança. É claro que tudo que alcancei na vida foi com um pouco de atraso. Contudo valeu a pena conquistar uma vitória difícil, na qual muito suor foi derramado. Além do meu pai, sempre me espelhei nos homens que ajudaram a construir a São Bento de todos nós.

Então, faço questão de lembrar José Manso, político e comerciante dono da "Esperança em Deus" e músico de valor, pai do meu falecido cunhado Joãozinho. A mercearia além de secos e molhados tinha uma seção especializada em quadros e molduras, onde Zé Manso cortava espelhos e vidros com uma perícia inesquecível. Ele também preparava uma bebida à base de aguardente, chamada de "Moreninha" e cuja fórmula não foi passada adiante. Já Oswaldo Celso Maciel era dono de uma das duas bombas de gasolina e de uma bem sortida loja de tecidos, perfumaria e miudezas onde empregava muitos rapazes e moças da cidade. Era lá e na loja de Aprígio Santos que meu pai mandava buscar a fazenda e o calçado para as três festas de fim e começo de ano. Como tinha doze filhos do seu segundo leito, era necessário vender uns dois garrotes para vestir a filharada. Dono da maior padaria de São Bento, fabricante das afamadas bolachas Sertaneja, Comum, Primor e Canela, Adalberto Paiva, cuja alcunha era “Gato Preto”, também é uma figura inesquecível com sua calva e rosto bem avermelhados. Incontáveis vezes fui àquele estabelecimento comprar, com uma cadernetinha do fiado, o pão e a bolacha do café da manhã e da ceia. Meu pai, fornecedor de leite para a Souza Valença e Castelo, recebia, no sábado, o dinheiro do leite entregue à fábrica, através de vales. Nesta ocasião, fazia a feira para as casas “da rua” e do sítio e pagava a seus credores e empregados rurais. A vida naqueles anos da década de 1950 era sobremodo difícil, principalmente pelas secas intermitentes ocorridas. Tínhamos que comprar a água para beber do açude do Missionário e a água para o gasto vinha do açude do Doutor. Nosso fornecedor de água que me lembro era Tonho de Amélia que se esmerava para poder prover a tempo e a hora as casas para as quais fornecia com solicitude e empenho a água para o gasto. Na época, minha família morava na Avenida Manuel Borba 92, hoje Oswaldo Celso Maciel. Então, meu pai teve a idéia de construir um banheiro dotado de chuveiro alimentado por um tanque que recebia a água barrenta do hoje desaparecido açude do Doutor. Antes da construção do banheiro, era comum tomarmos banho nos banheiros de dona Minervina, bem próximo ao citado açude. Pensando bem, que tempinho atrasado era aquele na São Bento da minha infância.

Aprendi as primeiras letras ainda nos Apeninos, com o mestre João Siqueira que tinha um filho chamado Oziel. Minha dificuldade maior foi decorar o nome das letras do alfabeto, que minha saudosa irmã Maria Nery, pacientemente, me ensinava. Mas depois que dominei o formato e nome das letras, logo, logo já estava aprendendo a soletrar as primeiras sílabas e dominando aquela simplória cartilhinha de Laudelino Freyre, debaixo dos elogios do mestre-escola. Já desasnado, como se dizia naqueles tempos, eu ingressei na chamada classe preliminar, com a professora municipal Elisa Costa, da qual recordo a figura de boa mestra. Dona Elisa era uma mestra eficiente e camarada a quem devo a solidificação da minha alfabetização e o aprendizado das continhas simples de somar e de diminuir.

No ano seguinte, 1949, fui fazer o primário em Pesqueira, morando na casa de minha irmã Valdeci, casada com Alberto Porto, que trabalhava no escritório da Fábrica de Laticínios Peixe. Lá convivi anos maravilhosos com Edson, Lucélia e Suzana, bem pequenina. O primeiro ano do primário fiz na Escola Municipal Henrique Dias que ficava no sobrado onde também funcionava o Tiro de Guerra 171 e o Grupo de Escoteiros Pio XII, do qual fui lobinho e por diversas vezes escalei com o grupo a serra dos Ororubás, onde a meninada se deliciava com as goiabas da serra. Lembro-me também da existência de barragens com os paredões de pedra granito nos desfiladeiros da grande montanha, mas nunca chegamos a ver índios nessas excursões. Em 1950 e 1951, estudei o segundo e o terceiro ano do primário no Grupo Escolar Rui Barbosa. O estabelecimento era amplo, limpo, com água corrente e cheio de jardins bem cuidados e que dispunha também de um pomar que fornecia as frutas para a salada da merenda escolar. Também no grupo era servido aos alunos, uma vez por semana, o leite em pó do programa de ajuda norte-americano chamado Ponto IV. Era horrível o gosto do leite em pó. Detestava esse leite quente, e dele tomei apenas uma primeira e única vez, pois estava acostumado a tomar leite in natura do sítio do meu pai. Os anos de estudo em Pesqueira foram maravilhosos. O grupo era dirigido com grande competência e espírito público pela professora Stella Falcão, que até me preparou, no seu gabinete, para a primeira comunhão que foi ministrada pelo bispo dom Adelmo Machado. Modéstia à parte, eu fui um escolar destacado a ponto de ser disputado como aluno pelas professoras, segundo conta minha irmã Valdeci Porto. O grupo escolar de Pesqueira era sem dúvida um estabelecimento de ensino de qualidade, e havia até aulas de educação física e professora de recreação. Essa época marcou muito a minha vida e Pesqueira passou a figurar como uma das minhas paixões infantis até hoje.

Há alguns anos, visitando Pesqueira, não mais encontrei o grupo escolar que marcou minha vida escolar. O casario estava completamente modificado, não mais vi os jardins impecáveis da diretora Stella Falcão, mas a sede de uma diretoria regional de educação e o nome do grande jurisconsulto brasileiro trocado por um de uma professora cujo nome não consegui gravar. Não vai aqui nenhuma crítica à professora que deu o nome ao antigo grupo escolar. Certamente mereceu a homenagem. Isto parece ser Brasil, um país por fazer e que parece não gostar de respeitar os valores da nossa tradição. Um país precisa ter memória e precisa, acima de quaisquer paixões, coragem de homenagear a todas as gerações que num esforço coletivo construíram esta Nação. Um país é, em última análise, uma construção coletiva e inominada na qual cada um dos seus habitantes, por diversas gerações, assentou tijolos, traçou a argamassa, mas antes ajudou a cavar os alicerces da nacionalidade. Feliz do país que prima por conservar os feitos dos seus antepassados, porquanto tudo teve uma base e nós somos apenas os que continuaram e aperfeiçoaram as coisas, com mais facilidade, uma vez que hoje dispomos de melhores tecnologias para tanto.

Ainda sobre Pesqueira, tenho uma saudade imensa da época de safra de goiaba, onde nós, meninos, subíamos na carroceria dos caminhões para tirar uma gostosa goiaba. Momentos depois as frutas eram lavadas, esmagadas e a semente retirada no processo de produção das afamadas goiabadas Rosa, Tigre e Peixe. Nós morávamos na Praça Presidente João Pessoa, também conhecida como a praça da estação, uma vez que era ali que o trem parava para embarque e desembarque de pessoas, animais e cargas. Antes de o trem chegar do Recife, um bondinho, puxado a burro, vinha do centro da cidade para levar os passageiros. Era algo simplesmente romântico essa linha férrea que tinha apenas um bonde.

Morávamos, pois, na Pitanga, bem próximo à Fábrica Rosa e à Fábrica Tigre. Quase em frente da Fábrica Tigre existia o campo de futebol da fábrica, no qual tive a oportunidade de dar meus chutinhos e quando a bola caía no canal da fábrica era um Deus nos acuda para limpar a redonda impregnada pelo vinhoto fétido produzido pelos resíduos do processamento do tomate.

A Fábrica Peixe tinha uma frota de mais de cem caminhões e na safra de tomate alugava mais veículos para ajudar a carregar o tomate dos plantios. De notar que alguns dos plantios de tomate da Fábrica Peixe era no município de São Bento, a ponto de o município na época ser considerado o maior produtor de tomate do Brasil. Lembro-me também das festas de Santa Águeda, da excelente feira na Praça Dom José Lopes e adjacências. Recordo-me, com saudade, da festa da inauguração da Rádio Difusora de Pesqueira, coincidindo com o cinqüentenário da Fábrica Peixe quando se apresentou para o público da cidade o cantor mexicano de prestígio internacional chamado Frei José Mojica. Foram momentos inesquecíveis e que certamente ficou gravado em letras de ouro na história da antiga cidade do doce e da massa de tomate. Estes fatos ora relatados, ocorrerem, possivelmente, no longínquo ano de 1951.

Voltando à nossa cidade de São Bento, no ano de 1952, aconteceu um fato auspicioso sob o ponto de vista de melhoria do ensino: funcionaria pela primeira vez o quarto ano do ensino primário. Então, combinei com os meus retornar a São Bento para concluir o primário com a professora Ademilde Paiva, nas Escolas Reunidas Dom Moura, dirigida pela professora Esterzinha Siqueira, às quais rendo minha homenagem de são-bentense agradecido por tudo que tive a oportunidade de aprender.

Minha turma tinha uns 25 alunos, mas infelizmente só me lembro do nome de alguns colegas: Maria Auxiliadora (Dodora), Maria Isabel Gomes (Betinha) e Carlos Eduardo (Cadoca). A estes e todos os outros e outras colegas, rendo minhas homenagens nestes mais de 50 anos de conclusão. Foi muito bom, gente. Cabe ainda um pequeno comentário a respeito das Escolas Reunidas Dom Moura. Apesar do nome aparentemente pomposo, a escola na realidade dispunha apenas de duas salas de aula e entre as duas salas um pequeno cômodo onde a diretora tinha seu gabinete. Por trás, havia um grande pátio para recreio e onde jogávamos voleibol. As condições de higiene eram precárias uma vez que a cidade não era servida de água encanada. À noite, no prédio funcionava uma escola profissional na qual se ministrava às moças bordado e corte e costura. Em dias de festa, havia baile onde se destacava a figura ímpar de Josué Severino, à frente da orquestra, com um repertório variado de sambas, boleros e valsas que maravilhavam a todos que, do lado de fora, assistiam à performance dos músicos e dançarinos. Para a instalação do Banco do Brasil, o histórico prédio foi demolido para a nossa tristeza.

Assim era São Bento do início dos anos 1950. O motor velho muito bem cuidado graças à perícia e eficiência de João Virães já não mais tinha forças para iluminar as casas do centro da cidade. Até hoje me lembro da batida das enormes correias nas desgastadas polias do motor velho, que era instalado perto da Casa Oswaldo Maciel. Depois foi comprado um motor amarelo da marca Caterpillar. Durante muito tempo o motor novo foi a alegria dos meninos que ficavam na calçada para aproveitar a força do vento quente que dele provinha para fazer girar os pequenos cata-ventos de brinquedo. Com o motor novo, as três praças e a avenida principal ficaram iluminadas, fato este que foi devidamente registrado por Sebastião Cintra, meu cunhado, que na época era correspondente do Diário de Pernambuco. Aliás, justiça seja feita a Sebastião. Graças a ele São Bento era sempre notícia na esperada coluna semanal que tinha o nome de “Diário nos Municípios”. Hoje em dia os jornais do Recife pouco ou nada noticiam a respeito dos fatos importantes ocorridos na cidade. Quando tal ocorre vem com uma carga negativa como aconteceu no início de 2005 com a cólera que vitimou alguns são-bentenses moradores de bairros carentes de saneamento e de melhor atenção por parte da autoridade pública. Ou como naquele episódio da febre suína, fartamente noticiado pela imprensa da capital.

O motor novo com o passar do tempo tornou-se insuficiente para iluminar a cidade até às 23h30min. A cidade então passou a viver num breu enorme, pois o motor novo só tinha capacidade para abastecer as casas de comércio e residência. Depois foi comprado um motor já usado que foi instalado naquela rua em cuja esquina ficava a sede da Banda Santa Cecília que veio abaixo por si só. Parece que esse motor tinha servido por muitos anos a Pesqueira. Também não me recordo de quem o comprou. Só me recordo que foi construída uma instalação própria para o motor. Sei que continuamos com problemas de iluminação pública até maio de 1957 quando deixei definitivamente minha cidade de São Bento. Tempos depois é que a energia produzida pela Usina de Paulo Afonso chegou para encerrar de vez o problema de iluminação pública da qual a cidade foi muito carente na década de 1950.

PS: Nos próximos artigos, continuarei tratando da vida na nossa cidade e os grandes momentos que a história municipal registrou e dos quais fui testemunha.

Pau Amarelo PE 24 de dezembro de 2005

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 244 - 14/04/2017 - História Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injusti�a imperdo�vel
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una