Máxima: ºC
Mínima: ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 45: Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Publicada dia 01 de Julho de 2006

Aumentando os conhecimentos gerais (7)

Hoje, os assuntos tratados neste artigo estão mais diversificados do que nunca. Falaremos, superficialmente, a respeito de dois grandes gênios da literatura mundial: Joyce e Kafka. Também, trataremos da Manchester mineira e a razão pela qual adotou o nome de Juiz de Fora. Outros assuntos: a quebra da bolsa de valores de Nova Iorque, messianismo, anarquismo, ideologia, denúncia da falsa democracia, a distribuição desigual da renda mundial, a ilha de Man, que fica entre a Grã-Bretanha e a República da Irlanda, e, para finalizar, o assassinato de João Pessoa e suas conseqüências.

“ULISSES” DE JAMES JOYCE – Em artigo anterior, citamos James Joyce (1882-1941) como um exemplo significativo de inteligência lingüística. Ele é considerado um dos maiores escritores de língua inglesa, embora tenha nascido na Irlanda, que foi possessão britânica de 1801 a 1922. “Ulisses” é o relato de um dia dos dois personagens principais: Dedalus e Leopold Bloom, que perambulam pelas ruas e tabernas de Dublin, capital da República da Irlanda. Toda a trama do romance é paralela à da Odisséia, de Homero. Assim, Telêmaco é Dedalus; Ulisses é Bloom; Penélope, Molly Bloom. O enterro de Patty Dignam, acompanhado por Leopold Bloom, é a descida de Ulisses ao Hades. Os canais suburbanos que ele cruza são os rios infernais da mitologia e por aí vai. Ao final, Bloom e Dedalus voltam para casa, assim como Ulisses voltou para Ítaca. Lá, a anti-Penélope, Molly, revive no leito sua traição ao anti-Ulisses, Leopold, num fluxo torrencial de associações que finda com um “sim” de entrega total. Com suas vivências, monólogos interiores e reflexões intimas, em que a linguagem, fragmentada e distorcida por meio de uma técnica depurada para refletir o processo do pensamento humano, Joyce construiu um universo peculiar, o chamado “fluxo de consciência”, e sua percepção da realidade exterior, assume papel preponderante. Os tratamentos lingüísticos dos episódios diferem muito, como se o livro fosse uma antologia dos “estilos” da língua inglesa.

FRANZ KAFKA – A desesperança e a alienação do homem moderno, imerso num mundo que não pode compreender, estão presentes na obra de Kafka, escritor tcheco de expressão alemã. Ele nasceu em Praga, no então império austro-húngaro em 1883. Suas obras-primas são “O processo” (1925) e “O castelo” (1926), que só foram publicadas após a morte do escritor. Nos romances citados, a ambigüidade onírica do peculiar universo kafkiano e as situações de absurdo existencial chegam a limites insuspeitados. Em “O processo”, o bancário Joseph K., por razões que nunca chegou a descobrir, é preso, julgado e condenado por um misterioso tribunal. A desolada poesia da obra de Kafka, em estilo sóbrio e realista, não nascia, porém, da resignação, mas do desejo de encontrar um fundamento espiritual capaz de explicar a contradição entre o desejo humano e a realidade quotidiana. Este notável escritor morreu atingido pela tuberculose em 1924, perto de Viena. Era formado em direito pela Universidade de Praga. Ele influenciou o surrealismo, o existencialismo e o teatro do absurdo. É um gênio.

JUIZ DE FORA – A simpática cidade é conhecida como a “Manchester mineira” por sua atividade fabril. Suas origens remontam a 1702, quando Garcia Rodrigues Pais abriu o caminho novo para as Minas Gerais. A ocupação pelo sistema de sesmarias levou o fidalgo português Luís Fortes Bustamante e Sá, “juiz de fora da cidade do Rio de Janeiro”, a adquirir terras que se denominaram Sesmaria do Juiz de Fora. Em 1856, a vila passou à categoria de cidade, recebendo o nome de Juiz de Fora. Desde o final do império, a cidade é importante centro industrial do país. Localiza-se na zona da mata mineira. Dista 280km de Belo Horizonte e 185 do Rio de Janeiro. A primeira estrada de rodagem do Brasil, a União e Indústria, ligou a cidade a então Corte no ano de 1861. Por outro lado, ainda em 1861, os trilhos da Estrada de Ferro D. Pedro II chegaram à cidade. O café era sua principal riqueza. Em 1889, foi inaugurado o serviço de luz e força, impulsionando a cidade para a industrialização. Os principais setores industriais são os de vestiário e calçados, têxtil e metalúrgico. A cidade é sede da Universidade Federal de Juiz de Fora.

A SEXTA-FEIRA NEGRA – Em 24 de outubro de 1929, uma sexta-feira, a Bolsa de Valores de Nova Iorque despencou, em conseqüência de desastres econômicos que arrasaram a ordem capitalista. A depressão provocada pela quebra (“crash” em inglês) da bolsa causou o desemprego de 17 milhões de pessoas e a queda generalizada da produção. As fotos da época mostram a penúria dos trabalhadores desempregados enfrentando enormes filas para obter um prato de comida. Há uma outra foto de um homem que perdeu todo seu dinheiro com a desvalorização de suas ações, oferecendo por 100 dólares o Ford modelo 1929 que lhe restou. Esta situação de crise perdurou até 1932 quando o presidente Franklin Delano Roosevelt implantou o plano de reconstrução econômica, que ficou conhecido como “New Deal” (novo acordo). O plano baseava-se na forte atuação do estado na economia mediante a desvalorização do dólar, ampliação de obras públicas, como o gigantesco projeto do vale do Tennessee, limitação de excedentes agrícolas e industriais, financiamento a fazendeiros e rigoroso controle da atividade creditícia e financeira, cuja indisciplina foi uma das principais causas da crise. Em suma, a causa mais visível foi a superprodução de alimentos e outros bens e a falta de compradores diante de tamanha oferta.

MESSIANISMO – O messianismo é definido como toda crença na vinda e intervenção de uma personalidade ou acontecimento capaz de redimir as pessoas e resolver os problemas de comunidade ou de um país. Na marcha da história da humanidade, sempre existiram messiânicos, tanto nas grandes religiões – judaísmo, cristianismo, islamismo, budismo, xintoísmo – como em grupos primitivos, de base mitológica autóctone. Na religião hebraica, o messianismo é a crença no advento de um salvador por messias, o ungido.


ANARQUISMO – Pode, à primeira vista, não parecer, mas anarquismo seria um estado puro de direito em uma sociedade global em que não houvesse conflito de interesses. Todos saberiam, muito bem, onde seu direito terminaria e onde o direito dos outros começaria. Uma sociedade anárquica seria uma sociedade em que a profissão de advogado, juiz, promotor não teria sentido, uma vez que as pendengas, por ventura existentes, seriam resolvidas amigavelmente. A palavra anarquismo vem do grego “ánarkhos” e significa sem governo. Então, “sem governo” não pode ser entendido como baderna plena, geral e irrestrita, pois que não haveria necessidade de governo e de estado, uma vez que cada cidadão cumpriria religiosamente as suas obrigações sem que para tanto fosse obrigado por lei ou autoridade. Como se vê, o anarquismo é uma utopia, mas pode ser que daqui a milhões de anos o homem esteja num estado adiantadíssimo a ponto de pôr de lado a necessidade de ter administradores, cobradores de impostos, legisladores e magistrados. Os teóricos do anarquismo afirmam que tudo o que limita a liberdade do ser humano deve ser suprimido. Como movimento político e social, o anarquismo pretendia destruir os freios, tais como religião, estado, propriedade privada, lei que segundo suas teorias, se interpõe entre o indivíduo e sua liberdade, para assim possibilitar a construção de uma vida comunitária livre e solidária. Mikhail Bakunin, revolucionário russo, foi o iniciador do anarquismo como movimento internacional organizado.

IDEOLOGIA – Segundo o anarquismo, todos os tipos de autoridade – política, religiosa, militar – são contrárias à liberdade individual e devem, por isso, ser repelidas e eliminadas. Um contrato individual, livremente aceito pelos homens, asseguraria a justiça e a ordem. Assim, uma infinidade de contratos livremente consentidos geraria um sistema em equilíbrio dinâmico, um sistema federal, em que a solidariedade seria muito superior à obtida nos sistemas baseados na autoridade e na coerção.

DENÚNCIA DA FALSA DEMOCRACIA – O estado moderno, afirma o anarquismo, encontra sua legitimação na ficção democrática do sufrágio universal, que consiste em atribuir a cada cidadão o direito de um voto. Isso cria a ilusão de que o povo governa a si mesmo, quando, na verdade, as múltiplas manipulações do sistema levam à preservação da desigualdade entre ricos e pobres, entre poderosos e usurpados, apesar das aparências de igualdade jurídica. Por esta razão, o militante anarquista sempre se absteve de votar nas eleições, em cujas virtudes não crê.

A DISTRIBUIÇÃO DA RENDA MUNDIAL TAMBÉM É PERVERSA – Os 20% mais ricos do mundo detém 86% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial. Os 20% mais pobres, apenas 1% do PIB mundial. Em conseqüência, esses mesmos 20% mais ricos açambarcam 82% das exportações do mundo. Em termos de “linhas telefônicas”, 74% delas estão com os 20% mais ricos. Em contrapartida, os 20% mais pobres do mundo possuem apenas 1,5% das linhas telefônicas instaladas. No tocante à Rede Mundial de Computadores, os 20% mais ricos abiscoitam 93% das conexões com a Internet, enquanto os 20% mais pobres têm, apenas, 0,2% das conexões. Seguramente, os 20% das pessoas mais ricas do mundo estão nos Estados Unidos, Canadá, União Européia e no Japão. Já os 20% mais pobres do mundo estão na África abaixo do deserto do Saara, na Ásia continental e na América Latina. Sabendo-se que a população da Terra gira em torno de 6,5 bilhões, é possível fazer os cálculos de quanto estes 20% representam de mais ricos e de mais pobres.

A ILHA DE MAN – A manutenção de tradições escandinavas adquiridas no período em que foi dependência norueguesa e a realização de uma competição anual de motociclismo são atrativos da ilha, cuja principal fonte de divisas é o turismo. A ilha situa-se no mar da Irlanda. Tem 48 km de comprimento e 16 de largura e ocupa uma superfície de 572 km². O litoral é escarpado e a vegetação baixa inclui pequena quantidade de árvores. Os celtas foram os primeiros habitantes. Em 1266, a Escócia comprou a ilha que desde 1828 é uma dependência da coroa britânica. A ilha possui parlamento próprio, um dos mais antigos do mundo, que dirige a ilha juntamente com um governador indicado pela coroa. Nas montanhas criam-se ovinos e nas planícies cultivam-se plantas forrageiras, batata, aveia e cevada. A fauna é muito pobre.

O ASSASSINATO DE JOÃO PESSOA - João Pessoa era o presidente do estado da Paraíba. Antes de tudo, é bom que se diga que no regime da Constituição de 1891, alguns estados adotaram a denominação de presidente, outros a de governador. No dia 26 de julho de 1930, Pessoa veio ao Recife para tratar do desembarque de armas para a revolução que acabaria com a primeira república brasileira. Ele foi à Confeitaria Glória tomar chá com torradas. Antes, em fevereiro, José Pereira Lima, chefe político de Princesa, correligionário de João Pessoa, rompe com o presidente e domina a cidade. Na ação repressiva, a polícia paraibana invade a casa de um aliado de José Pereira, de nome João Dantas e confisca a correspondência amorosa que Dantas mantinha com uma moça da capital. As cartas foram publicadas no órgão do governo estadual. Para se vingar, João Dantas foi ao Recife. Procurou o presidente do seu estado, encontrando-o na citada confeitaria e fazendo trincheira no corpo de Agamenon Magalhães atirou e matou João Pessoa. O tenente Queiroz entrou em corpo a corpo com o assassino. Ferido no braço, Dantas é atendido no Pronto Socorro e depois recolhido à Casa de Detenção, onde viria a morrer. Dois golpes de bisturi na garganta. Uns acham que Dantas foi assassinado, outros que se suicidou. Ainda hoje os historiadores questionam. O fato é que o assassinato de João Pessoa, um crime comum, serviu de pretexto para a Revolução que eclodiria em 3 de outubro de 1930.









E-mail: orlandocalado@yahoo.com.br

Pau Amarelo 1º de julho de 2006

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 244 - 14/04/2017 - História Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injusti�a imperdo�vel
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una