Nublado a parcialmente nublado com chuva isolada

Máxima: 30 ºC
Mínima: 17 ºC

Navegando: Indisponível

Coluna 199: O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Publicada dia 15 de Outubro de 2010

O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)

Ao longo da sua história, São Bento do Una tem dado insofismáveis testemunhos do pioneirismo de sua gente, em todos os tempos e nos mais variados campos da atividade humana. O início do arruamento se deu nos anos 30 do século XIX quando um grupo de migrantes de origem portuguesa, já tendo passado pelo vale do rio do Peixe ou das Piranhas, em Pombal e Sousa na Paraíba, resolveu se retirar daquela região devido à ebulição política em favor da independência da colônia, vindo a se estabelecer no Brejo da Madre de Deus, Cimbres, Pesqueira, sendo que uma parcela se instalou nas imediações da Fazenda Santa Cruz e logo se providenciou, por sugestão de um missionário, a construção de uma simplória capela, símbolo característico da fé portuguesa, e ao derredor dela foram surgindo rústicas casinhas de taipa, sem nenhum acabamento exterior.


O Brasil já ouvira o grito do riacho Ipiranga, porém as desavenças entre portugueses e brasileiros se acentuavam na Corte e nas províncias, especialmente nas do chamado Norte do país de então. No entanto, longe do centro nevrálgico do poder, os migrantes encontraram boa acolhida na Fazenda Santa Cruz. Tal fato, sem dúvida, significou o prosseguimento da conquista de uma parcela do hoje chamado agreste pernambucano.


O litoral e depois a mata pernambucana se especializaram na monocultura da cana de açúcar, sua moagem e transformação do caldo em pães de açúcar para melhor facilitar o seu transporte para a Europa em navios veleiros. Ora, os grandes proprietários de terra de então não permitiram a criação extensiva de gado nem tão pouco o cultivo de lavouras outras que não fosse a cana-de-açúcar. Abria-se, dessa forma, perspectivas de se conquistar as terras do "sertão" onde se poderia criar, com toda liberdade, os diversos tipos de gado, plantar algodão, milho, feijão e mandioca para fornecer aos engenhos de açúcar do litoral pernambucano.


De mais a mais, a agroindústria canavieira precisava de bovídeos para transportar a cana e fazer girar as rudimentares moendas dos engenhos. O começo do século 19 marcou, assim, o início da colonização do então chamado sertão pernambucano, que passou a ser fornecedor de carne de sol, queijo, manteiga de garrafa, mel e outros produtos como o couro e peles de outros animais.


O pequeno arruado de cerca de uma dúzia de fogos não se conformava apenas em rezar nos seus oratórios particulares e a devoção dos migrantes portugueses pelo catolicismo era praticamente unânime, logo, os primitivos são-bentenses erigiram uma capelinha de dimensões modestas, aproveitando o madeirame da derrubada da mata para a implantação de roçados nas margens úmidas do rio Una.


Registra a historiadora municipal, Ivete de Morais Cintra, que "em agosto de 1831, Inácio Tomás de Aquino e Joaquim de Benevides Falcão deram, por escritura, dois terrenos para o patrimônio da capela do Senhor Bom Jesus Pai dos Pobres". A construção da capela teve início em novembro do mesmo ano de 1831.


No ano seguinte, 1832, um grupo de vaqueiros e suas famílias, fugindo das lutas que se travavam em Panelas do Miranda, se estabeleceram em Santa Cruz e muito concorreram para o desenvolvimento do arruado. Trouxeram a ideia de realizar uma feira semanal que se realizava no largo da capela.


O passo seguinte foi a constituição da "Irmandade do Senhor Bom Jesus Pai dos Pobres" no dia 8 de outubro de 1835. A ata, documento histórico de grande importância, é um verdadeiro registro do nascimento de um arruado de pouco mais de uma dúzia de fogos, em 1830, para, num mesmo século, se tornar freguesia em 1853, como distrito da vila e município de Santo Antônio de Garanhuns, no ano seguinte fundar sua filarmônica, em 1860 se tornar vila e município e finalmente no encerrar do século 19 se tornar uma pujante cidade pernambucana, ocupando o décimo lugar em termos de população e com uma economia baseada principalmente na pecuária.


Como se vê, em exatos setenta anos de existência nossa S. Bento passou de simples arruado à condição de cidade. Tal ascensão foi fulgurante e motivo de justo orgulho para todos nós que louvamos o trabalho dos nossos antepassados, os quais lutando contra todas as adversidades nos legaram um maravilhoso lugar para se viver e que tem tudo para se desenvolver e fazer justiça a todos os seus filhos, mas para que esse desenvolvimento seja seguro e que toda a população possa ter emprego e renda suficientes para não dependerem de subsídios governamentais sob as mais diferentes formas.


Nosso desejo é o de que a cidade cresça, mas não inche e que seu povo seja feliz e viva em paz. Mas, voltemos a 1835, quando um pugilo de são-bentenses perfilhados fundaram a Irmandade do Bom Jesus. A ata de criação exalta "a devoção dos povos nesta Povoação de Santa Cruz de São Bento" Estavam presentes à reunião as pessoas que desejavam ser matriculadas na Irmandade. E, no consistório realizado da capela do Senhor Bom Jesus, votaram em escrutínio nos irmãos que deveriam ocupar a primeira diretoria desde o resto do ano de 1835 até o dia 1° de janeiro de 1836. Por maioria de votos, foi eleito juiz o irmão, José Venâncio de Benevides, tendo como suplente o irmão Antônio Joaquim Dutra. Os demais cargos foram preenchidos por Francisco Correia da Câmara, escrivão; José Clemente da Rocha, procurador; padre José Rodrigues Valença, tesoureiro e Anastácio José Rodrigues dos Santos, José Cordeiro Rego, José dos Santos Falcão, Leandro Gomes Bezerra, Antônio José de Araújo, João Alves Muniz Falcão, Jacinto Muniz de Almeida da Costa, Francisco José Moreira, Agostinho Rabelo Cadaval e Manoel José de Oliveira, mesários.


A seguir, e ainda segundo a histórica ata, os irmãos tomaram assento nos seus respectivos lugares na mesa, ao tempo em que se obrigaram a cumprir, observar e fazer observar os estatutos da irmandade e em virtude do qual se procedeu à matrícula dos demais irmãos que livremente quisessem gozar de tão louvável associação, lavrando-se, assim, no competente livro de matrículas, as suas entradas.


A ata foi lavrada pelo padre José Rodrigues Valença a rogo do escrivão eleito, Francisco Correia da Câmara, não se registrando se o escrivão era incapaz de se exprimir no idioma português. Esta, sem dúvida, deve ter sido a primeira eleição realizada em solo são-bentense nestes 180 anos que permeiam a história de nossa simpática cidade. Ao citarmos o nome desses são-bentenses que adotaram a povoação de Santa Cruz de São Bento como sua terra, queremos não só homenageá-los como também vislumbrar possíveis descendentes, a exceção evidente do padre da família Rodrigues da Cunha, cujo patriarca havia adotado o topônimo Valença, lugar do qual proveio de Portugal, para evitar o problema da homonímia muito comum naqueles tempos em razão da repetição dos poucos nomes muito usuais e comuns da época.


 Em 1835, a capela já estava ereta, porém necessitada de acabamento e melhorias outras, tanto que uma das primeiras providências dos "irmãos" foi a construção do coro. O irmão escrivão, Francisco Correia da Câmara, obrigou-se a fazer toda a obra por cem mil réis, não entrando no cômputo da quantia pedida a ferragem necessária. Deliberou-se que o tesoureiro mandasse vir a ferragem necessária à armação do couro da capela, que também mandasse buscar "trinta velas de libra", meia arroba de cera em velas de três em libra, a cruz para a irmandade, quatro livros, um lampião, uma cadeirinha para água benta" e que, além disso, se tratasse do adiantamento da sacristia e entijolamento da igreja.


Como se verifica, a irmandade do Senhor Bom Jesus foi fundada com o primacial objetivo de lhe dar o suporte necessário ao acabamento da capela, dotando-a das alfaias e do material litúrgico necessário ao culto. Ainda em dezembro do mesmo ano de 1835, Francisco Correia da Câmara que era escrivão foi eleito juiz, admitindo-se os novos mesários: Joaquim Papai de Paiva, Joaquim José de Santana, Francisco Matias de Azevedo, Gonçalo Ferreira de Melo, João Ribeiro de Andrade, o capitão Francisco Cordeiro Lima Falcão e José Alves Bezerra Cavalcante.


Em julho de 1836, a irmandade deliberou que o juiz, o procurador e o tesoureiro cuidassem do andamento das obras da capela, fazendo todas as despesas necessárias ao asseio e ajudando com o dinheiro do cofre da irmandade aos dinheiros da Igreja quando estes faltassem e com a devida clareza e individualização dos gastos. E em setembro do mesmo ano tratou de preparar o tabuado para tampas e travejamento das sepulturas da capela.


Em março de 1854, a irmandade autorizou o tesoureiro a "comprar uma mesa, dois bancos, duas cadeiras, uma fechadura para gaveta e seis castiçais e seis palmas". A Irmandade nos anos seguintes continuou dando sua contribuição para a consolidação da capela, muito embora atritos e divergências tivessem lugar anos depois da criação da paróquia pela Lei Provincial n° 309, de 12 de maio de 1853. Por decreto de 1° de abril de 1854, o imperador Pedro II apresentou ao bispo de Olinda, D. João da Purificação Marques Perdigão, o padre Antônio Alves de Carvalho, natural da província do Ceará, como primeiro vigário titular da povoação de S. Bento, cuja posse se verificou em 2 de novembro de 1854.


Sucedeu que, mais de 25 anos após sua fundação, a Irmandade foi declarada ilegal por despacho exarado pelo juiz municipal de capelas no seu livro de registro de atas, cujo teor foi o que se segue: "Visto em correição. Não está legalmente constituída e por conseguinte não pode funcionar a Irmandade do Senhor Bom Jesus eleita na vila de São Bento, visto como não tem compromisso. Será então dissolvida se não apresentar, aprovado no prazo de um ano que correrá da publicação deste, as contas do período. Uma vez constituída com compromisso, deverá a Irmandade apresentar novos livros ao Doutor Juiz de Capelas para que os abra, numere e rubrique depois de selados; visto como este e os outros estão incompetentemente abertos e rubricados; e além disso falta-lhes o selo. O Doutor Juiz Municipal de Capelas fique ciente deste despacho para que o faça cumprir. Garanhuns, 15 de dezembro de 1860. V. da Silva".


Declarada judicialmente ilegal a Irmandade do Bom Jesus, houve um desânimo total por parte dos irmãos, embora alguns abnegados continuassem se reunindo e tentando pelos meios determinados pela legislação a obtenção do chamado "compromisso" que tinha que reger a instituição, o qual, após aprovado em reunião de 14 de abril de 1861, foi remetido ao presidente da Província de Pernambuco para que o submetesse à apreciação da Assembleia Legislativa Provincial.


Não se tem notícia do que ocorreu depois com o "compromisso", mas o fato é que a última reunião formal da Irmandade se deu no dia 1° de janeiro de 1861 quando foi eleita e empossada um dia depois a seguinte diretoria: juiz Antônio Vítor de Barros Teixeira; 1° suplente Bento José Alves de Oliveira; 2° suplente Francisco Rodrigues Valença; tesoureiro Joaquim Ferreira Calado; suplente Antônio Bento de Oliveira; procurador Pedro Ferreira de Almeida; suplente João Bispo de Araújo; escrivão Luiz Apolinário da Silva Manso; mesários João da Porciúncula Valença, Bento José Alves de Oliveira, Daniel da Souza Jardim, Antônio Simões de Macedo, Domingos Ribeiro de Andrade, Lino Ribeiro de Pontes, João Manso da Silva, José Ferreira de Almeida, João Pereira de Gouveia Torres Galindo, Joaquim José de Santana e Manoel de Melo Leitão de Almeida. No ano seguinte, 1862, após a festa do Bom Jesus, o procurador Pedro Ferreira de Almeida entregou ao vigário Antônio Alves de Carvalho a quantia de 141 mil réis para serem aplicados na capela-mor, conforme autorização do juiz de direito de Garanhuns. E, assim, deixou de existir a primeira associação são-bentense derrotada que foi pela burocracia ibérica e pela divergência entre os irmãos e o primeiro vigário que tinha a oposição da Irmandade que não admitia que a capela viesse abaixo para dar lugar à atual igreja-matriz.







(continua)






Pau Amarelo PE 14 de outubro de 2010

Orlando Calado é bacharel em direito.


Colunas anteriores:

Coluna 246 - 16/07/2017 - História de São Bento do Una, Pernambuco, Brazil
Coluna 245 - 10/05/2017 - Pleito de gratidão a Dirceu e Ludgero
Coluna 244 - 14/04/2017 - Historia Municipal - A morte do mesário eleitoral
Coluna 243 - 13/02/2017 - Treze anos sem Sebastião Soares Cintra
Coluna 242 - 27/01/2017 - Injustiça imperdoável
Coluna 241 - 22/01/2017 - Sem memória não há História
Coluna 240 - 18/12/2016 - Felipe Manso, o prefeito que não foi
Coluna 239 - 05/12/2016 - Osvaldo Maciel, um grande Homem
Coluna 238 - 30/11/2016 - O Açude do Doutor Olavo
Coluna 237 - 24/11/2016 - São Bento, vida política e administrativa em 1930
Coluna 236 - 20/06/2016 - Cadê as coisas que deixei?
Coluna 235 - 14/06/2016 - O Sindicato Pastoril de S. Bento, um avanço para a época
Coluna 234 - 07/06/2016 - Esmeraldino Bandeira, um esquecido na nossa História
Coluna 233 - 05/06/2016 - Tributo ao prefeito Manoel Cândido, de São Bento
Coluna 232 - 29/05/2016 - Agamenon Magalhães e São Bento do Una
Coluna 231 - 11/09/2015 - As meretrizes da São Bento dos velhos tempos
Coluna 230 - 30/04/2015 - Por que nossa data magna municipal é o 30 de abril?
Coluna 229 - 06/02/2015 - Rodolfo Paiva, um são-bentense honorário
Coluna 228 - 03/01/2015 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (6)
Coluna 227 - 02/01/2015 - Monsenhor José de Anchieta Callou
Coluna 226 - 27/12/2014 - Padre Joaquim Alfredo, um mártir
Coluna 225 - 19/09/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (5)
Coluna 224 - 29/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (4)
Coluna 223 - 15/07/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (3)
Coluna 222 - 23/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (2)
Coluna 221 - 05/06/2014 - Breve História de Adelmar Paiva e do seu tempo (1)
Coluna 220 - 15/05/2014 - Uma pena: Clávio de Melo Valença nos deixou
Coluna 219 - 13/05/2014 - O que foi feito de nossas coisas antigas? Cadê?
Coluna 218 - 12/05/2014 - Zé Bico e Beni, dois são-bentenses notáveis
Coluna 217 - 09/04/2014 - Cícero Romão Batista, o santo do Nordeste do Brasil
Coluna 216 - 17/10/2013 - É hora de o político abrir os olhos
Coluna 215 - 02/10/2013 - A elite reacionária de ontem, de hoje e de sempre
Coluna 214 - 06/09/2013 - Custa caro um deputado federal pernambucano
Coluna 213 - 18/07/2013 - É duro ser um brasileiro comum, pagador de impostos
Coluna 212 - 14/07/2013 - Considerações várias sobre uma pequena cidade
Coluna 211 - 29/06/2013 - Lêucio Mota, estadista são-bentense do Una
Coluna 210 - 27/06/2013 - Nobre é a missão do professor
Coluna 209 - 21/06/2013 - Este País parece que não tem jeito mesmo
Coluna 208 - 16/06/2013 - Apolônio Sales, estadista brasileiro, o homem que tirou o Nordeste das trevas
Coluna 207 - 06/06/2013 - Registro histórico da posse de Gilvan Lemos na APL
Coluna 206 - 14/05/2013 - A grande seca de 2013
Coluna 205 - 06/05/2013 - Quebra de sigilo bancário
Coluna 204 - 30/04/2013 - Datas notáveis de São Bento do Una, edição revista e ampliada
Coluna 203 - 26/04/2013 - E as bombas da maratona de Boston?
Coluna 202 - 16/01/2012 - Enaltecendo São Bento e a Festa dos Santos Reis
Coluna 201 - 30/04/2011 - São Bento do Una: 151 anos de governo próprio
Coluna 200 - 05/04/2011 - Padre João Rodrigues, o semeador de templos
Coluna 199 - 15/10/2010 - O espírito pioneiro são-bentense do Una (1)
Coluna 198 - 22/07/2010 - Jackson do Pandeiro, o ritmista virtuoso
Coluna 197 - 13/04/2010 - Datas notáveis de S. Bento do Una desde os primórdios ao centenário de sua emancipação política em 1960
Coluna 196 - 28/02/2010 - Legado à posteridade
Coluna 195 - 22/01/2010 - Considerações finais a respeito do Governo Provisório da República de 1889
Coluna 194 - 30/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (37) (Fim da Série)
Coluna 193 - 20/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (36)
Coluna 192 - 09/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (35)
Coluna 191 - 02/12/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (34)
Coluna 190 - 25/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (33)
Coluna 189 - 18/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (32)
Coluna 188 - 11/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (31)
Coluna 187 - 04/11/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (30)
Coluna 186 - 27/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (29)
Coluna 185 - 21/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (28)
Coluna 184 - 14/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (27)
Coluna 183 - 07/10/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (26)
Coluna 182 - 30/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (25)
Coluna 181 - 23/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (24)
Coluna 180 - 16/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (23)
Coluna 179 - 09/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (22)
Coluna 178 - 02/09/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (21)
Coluna 177 - 26/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (20)
Coluna 176 - 19/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (19)
Coluna 175 - 12/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (18)
Coluna 174 - 05/08/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (17)
Coluna 173 - 29/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (16)
Coluna 172 - 22/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (15)
Coluna 171 - 16/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (14)
Coluna 170 - 08/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (13)
Coluna 169 - 01/07/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (12)
Coluna 168 - 25/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (11)
Coluna 167 - 17/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (10)
Coluna 166 - 09/06/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (9)
Coluna 165 - 27/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (8)
Coluna 164 - 17/05/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (7)
Coluna 163 - 29/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (6)
Coluna 162 - 22/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (5)
Coluna 161 - 15/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (4)
Coluna 160 - 08/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (3)
Coluna 159 - 01/04/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (2)
Coluna 158 - 21/03/2009 - A República Brasileira de 1889, uma instituição militar positivista (1)
Coluna 157 - 25/02/2009 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (14) (final da série)
Coluna 156 - 22/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (13)
Coluna 155 - 08/11/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (12)
Coluna 154 - 25/10/2008 - S.Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (11)
Coluna 153 - 18/10/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (10)
Coluna 152 - 11/10/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (9)
Coluna 151 - 27/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (8)
Coluna 150 - 20/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (7)
Coluna 149 - 13/09/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (6)
Coluna 148 - 06/09/2008 - S. Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (5)
Coluna 147 - 30/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (4)
Coluna 146 - 24/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (3)
Coluna 145 - 16/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (2)
Coluna 144 - 09/08/2008 - São Bento do Una, um breve passeio ao longo de sua história (1)
Coluna 143 - 02/08/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (3/3)
Coluna 142 - 19/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (2/3)
Coluna 141 - 12/07/2008 - O presídio de Fernando de Noronha e seu regime jurídico no final do Império (1/3)
Coluna 140 - 05/07/2008 - As comarcas de Pernambuco, do Sertão e do Rio de S. Francisco e a separação da última da província de Pernambuco
Coluna 139 - 28/06/2008 - A extraordinária figura de Dom João VI, primeiro e único rei do Brasil
Coluna 138 - 21/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (25) - O trabalho servil e as suas conseqüências danosas que fazem do Brasil um país de povo pobre
Coluna 137 - 14/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (24) - A abolição da escravatura no Ceará, a povoação de Boa Viagem do Recife entre outros assuntos
Coluna 136 - 07/06/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (23) - A crise no abastecimento de água no Recife. Relatório do governo: as chuvas diminuem a bandidagem
Coluna 135 - 31/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (22) - O projeto de lei de Joaquim Nabuco abolindo a escravidão e a chamada Lei Saraiva que restringiu o voto
Coluna 134 - 24/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (21) - Ainda os efeitos da grande seca na Vila de S. Bento; o Ginásio Pernambucano em 1879
Coluna 133 - 17/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (20) - Os efeitos da grande seca em São Bento
Coluna 132 - 10/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (19) - A corrupçao na vida pública; o espírito empreendedor do barão de Mauá
Coluna 131 - 03/05/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (18) - A terrível seca dos três sete
Coluna 130 - 26/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (17) - A inauguração do palacete da rua da Aurora enquanto a febre amarela grassa em Pernambuco
Coluna 129 - 19/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (16) - A revolução nas comunicações e o desfecho da Questão Religiosa
Coluna 128 - 12/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (15) - Dom Vital e a Questão Religiosa
Coluna 127 - 05/04/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (14) - A Lei do Ventre Livre
Coluna 126 - 29/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (13) - A Guerra do Paraguai
Coluna 125 - 22/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (12) - A Guerra do Paraguai
Coluna 124 - 15/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (11)
Coluna 123 - 08/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (10)
Coluna 122 - 01/03/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (9)
Coluna 121 - 23/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (8)
Coluna 120 - 16/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (7)
Coluna 119 - 09/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (6)
Coluna 118 - 02/02/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (5)
Coluna 117 - 26/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (4)
Coluna 116 - 19/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (3)
Coluna 115 - 11/01/2008 - Pingos de história do Império Brasileiro (2) O Diario de Pernambuco na História do Brasil
Coluna 114 - 29/12/2007 - Pingos de história do Império Brasileiro (1) - A chegada ao Brasil da família imperial portuguesa
Coluna 113 - 22/12/2007 - A Bíblia, um livro de inúmeras histórias
Coluna 112 - 15/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (34)
Coluna 111 - 08/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (33)
Coluna 110 - 01/12/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (32)
Coluna 109 - 24/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (31)
Coluna 108 - 17/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (30)
Coluna 107 - 10/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (29)
Coluna 106 - 03/11/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (28)
Coluna 105 - 27/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (27)
Coluna 104 - 20/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (26)
Coluna 103 - 13/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (25)
Coluna 102 - 06/10/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (24)
Coluna 101 - 29/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (23)
Coluna 100 - 23/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (22)
Coluna 99 - 15/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (21)
Coluna 98 - 08/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (20)
Coluna 97 - 01/09/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (19)
Coluna 96 - 25/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (18)
Coluna 95 - 18/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (17)
Coluna 94 - 11/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (16)
Coluna 93 - 04/08/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (15)
Coluna 92 - 28/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (14)
Coluna 91 - 21/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (13)
Coluna 90 - 14/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (12)
Coluna 89 - 07/07/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (11)
Coluna 88 - 30/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (10)
Coluna 87 - 23/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (9)
Coluna 86 - 16/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (8)
Coluna 85 - 09/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (7)
Coluna 84 - 02/06/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (6)
Coluna 83 - 26/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (5)
Coluna 82 - 19/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (4)
Coluna 81 - 12/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (3)
Coluna 80 - 05/05/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (2)
Coluna 79 - 28/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses de épocas diversas (1)
Coluna 78 - 21/04/2007 - A Guarda Nacional da Vila e Município de São Bento
Coluna 77 - 14/04/2007 - Fatos & gente são-bentenses das décadas de 1930 e 1940
Coluna 76 - 07/04/2007 - Uma breve visita à nossa querida São Bento do Una
Coluna 75 - 31/03/2007 - Planejamento familiar no Brasil: uma necessidade inadiável
Coluna 74 - 24/03/2007 - Hoje, meio século de uma tragédia são-bentense
Coluna 73 - 17/03/2007 - "Eu vi o mundo... Ele começava no Recife"
Coluna 72 - 10/03/2007 - Reminiscências de um menino de São Bento (7)
Coluna 71 - 03/03/2007 - Um fazendeiro são-bentense do século XIX
Coluna 70 - 24/02/2007 - O Rio de Janeiro será sempre o Rio de Janeiro
Coluna 69 - 17/02/2007 - Gilvan Lemos, simplesmente um escritor
Coluna 68 - 10/02/2007 - A Great Western da minha meninice: uma pequena história
Coluna 67 - 03/02/2007 - A declaração universal dos direitos humanos
Coluna 66 - 27/01/2007 - A revolta da chibata
Coluna 65 - 20/01/2007 - A revolta da vacina
Coluna 64 - 13/01/2007 - Apolônio Sales, um estadista de grande valor
Coluna 63 - 06/01/2007 - 2006: Um ano de saldo positivo apesar do pouco crescimento econômico
Coluna 62 - 30/12/2006 - A "Batalha da Borracha", um episódio esquecido da história do Brasil
Coluna 61 - 23/12/2006 - Alguns suicidas famosos (2/2)
Coluna 60 - 16/12/2006 - Alguns suicidas famosos (1/2)
Coluna 59 - 09/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (16)
Coluna 58 - 02/12/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (15)
Coluna 57 - 25/11/2006 - Congresso Nacional perdulário, povo paupérrimo
Coluna 56 - 18/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (14)
Coluna 55 - 15/11/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (13)
Coluna 54 - 14/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (4/4)
Coluna 53 - 07/10/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (3/4)
Coluna 52 - 30/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (2/4)
Coluna 51 - 23/09/2006 - Modos de falar diferentes no Brasil e em Portugal (1/4)
Coluna 50 - 16/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (12)
Coluna 49 - 09/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (11)
Coluna 48 - 02/09/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (10)
Coluna 47 - 26/08/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (9)
Coluna 46 - 08/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (8)
Coluna 45 - 01/07/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (7)
Coluna 44 - 24/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (6)
Coluna 43 - 17/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (5)
Coluna 42 - 10/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (4)
Coluna 41 - 03/06/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (3)
Coluna 40 - 27/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (2)
Coluna 39 - 20/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (6)
Coluna 38 - 13/05/2006 - Aumentando os conhecimentos gerais (1)
Coluna 37 - 06/05/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (5)
Coluna 36 - 29/04/2006 - Os planetas e seus satélites
Coluna 35 - 22/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (2)
Coluna 34 - 15/04/2006 - As impropriedades do quotidiano do brasileiro (1)
Coluna 33 - 08/04/2006 - Nome de rua não deve ser mudado
Coluna 32 - 01/04/2006 - Brasil, nova potência petrolífera mundial!
Coluna 31 - 25/03/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (4)
Coluna 30 - 18/03/2006 - Biodiesel: um combustível social e ecológico
Coluna 29 - 11/03/2006 - Os livros de Sebastião Cintra
Coluna 28 - 04/03/2006 - Um sábado sangrento no Recife
Coluna 27 - 25/02/2006 - O início do resgate da nossa dívida social
Coluna 26 - 18/02/2006 - Fim da pobreza mundial até 2015
Coluna 25 - 11/02/2006 - Reminiscências de um menino de São Bento (3)
Coluna 24 - 04/02/2006 - Aspectos gerais da lei de responsabilidade fiscal
Coluna 23 - 28/01/2006 - Pernambuco começa a sair da letargia
Coluna 22 - 21/01/2006 - Perfil demográfico no mundo rico
Coluna 21 - 14/01/2006 - Brasil, potência mundial em 2020
Coluna 20 - 07/01/2006 - Os gatunos da esperança
Coluna 19 - 31/12/2005 - Josué Severino, o mestre e a Banda Santa Cecília
Coluna 18 - 24/12/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (2)
Coluna 17 - 17/12/2005 - Pequenas idéias para o desenvolvimento de São Bento do Una
Coluna 16 - 10/12/2005 - Do Estado pouco ou nada espero
Coluna 15 - 04/12/2005 - A América do Sul e o nazismo
Coluna 14 - 27/11/2005 - A Venezuela bolivariana de hoje
Coluna 13 - 26/11/2005 - Reminiscências de um menino de São Bento (1)
Coluna 12 - 13/11/2005 - A crise argentina
Coluna 11 - 13/11/2005 - A saga de Delmiro Gouveia
Coluna 10 - 10/11/2005 - O velho na legislação brasileira
Coluna 9 - 31/10/2005 - O projeto São Francisco
Coluna 8 - 24/10/2005 - Correio eletrônico, maravilha do nosso tempo
Coluna 7 - 13/10/2005 - Um século sem presidente paulista
Coluna 6 - 09/10/2005 - O Grande Pronome 'Lhe' Morreu!
Coluna 5 - 29/09/2005 - Brasil 2005 - Uma Economia Mais Forte
Coluna 4 - 22/09/2005 - As Vestais da Moralidade Pública
Coluna 3 - 15/09/2005 - Mordomia & Nepotismo
Coluna 2 - 07/09/2005 - Tratamento de Excelência
Coluna 1 - 07/08/2005 - Hiroshima - uma covardia inominável


©2003-2017 - Portal São Bento do Una